Tecnologia fará sua estreia no elétrico Mustang Mach-E, mas será cobrado para instalar o sistema e depois para ativá-lo

A Ford está entrando no jogo dos carros autônomos, anunciando que seu novo sistema Active Drive Assist (ADA) chegará até o final de 2021, a bordo do crossover elétrico Mustang Mach-E e de outros produtos. A jóia da coroa da família de tecnologias Co-Pilot 360 da montadora, o Active Drive Assist entra pra uma lista robusta de sistemas projetados para manter os motoristas do da fabricante seguros e sem estresse nas estradas da América do Norte.

Vamos falar sobre a disponibilidade antes de entrar nos detalhes sobre o sistema. O Active Drive Assist será oferecido em duas fases. Primeiro estará disponível para os clientes que encomendaram um Mach-E e pediram pelo pacote Active 2.0 Prep Package, que adapta todo o hardware do veículo para as necessidades do sistema. Na segunda metade de 2021, a Ford iniciará as vendas do software para fazer o ADA funcionar, que os clientes poderão instalar através de uma atualização online ou em uma concessionária.

Isso significa que os clientes precisam fazer duas compras separadas, embora o diretor de programas globais da Ford para carros elétricos, Darren Palmer, tenha dito ao Motor1.com em uma teleconferência para a imprensa, que os preços para o sistema completo "serão altamente competitivos".

"Queremos que tantas pessoas tenham [o ADA] quanto possível", disse Palmer.

Uma vez instalado, o ADA funcionará como o Super Cruise da General Motors. O carro usará uma combinação de sensores externos e seções pré-mapeadas da estrada para permitir a condução sem mãos no volante. No momento, a Ford mapeou mais de 160.000 quilômetros de estradas em todos os 50 estados dos Estados Unidos e no Canadá para uso da ADA. Mas, no momento, essa coleção cobre apenas estradas divididas (onde cada mão é dividida por um canteiro central). Ainda assim, com apenas 47 mil milhas (75,6 mil km) do sistema rodoviário norte-americano, o Active Drive Assist deve funcionar em muitos lugares para o motorista comum.

Ford Active Drive Assist

Mas, apesar das semelhanças com o Super Cruise, parece que o ADA será um sistema mais inteligente e utilizável. Por melhor que seja o Super Cruise, entender quando o sistema está ativado e depois assumir o controle tem uma curva de aprendizado. Isso é problemático para os consumidores que não estão familiarizados com a condução autônoma.

"Alguns dos sistemas à venda são muito fortes e travam, e quando você fica um pouco nervoso ou quer assumir o controle, você realmente precisa lutar com ele", disse Palmer, sem mencionar diretamente o Super Cruise. “É muito irritante para as pessoas. Nós realmente queríamos ter certeza de que não teríamos isso - quando você quiser retomar o controle do carro, basta usar o volante. ”

Além de tornar a retomada do controle mais fácil, a Ford garante que os proprietários nunca perderão muito controle do carro. O coração da ADA é um sistema de câmera infravermelha voltado para o motorista que monitora os olhos e o posicionamento da cabeça para garantir que ele esteja prestando atenção na estrada. O sistema funciona mesmo quando o condutor usa óculos / óculos de sol ou máscara protetora e serve como a primeira linha de defesa para o uso desatento do ADA. Ou seja, querem evitar acidentes fatais como aconteceu com os Tesla, em que o motorista estava fazendo outra coisa.

Segundo Palmer, leva cerca de sete minutos para que os motoristas comecem a confiar no sistema autônomo a ponto de reduzir a atenção na estrada. A Ford projetou o sistema de câmeras para mitigar esse tipo de comportamento. Saberemos mais sobre a tecnologia nos próximos meses.

Galeria: Ford Active Drive Assist