Picape norte-americana continua na segunda geração, mas ao menos tem mudança na mecânica

A estratégia global da Nissan Frontier é bem confusa. No mundo todo, incluindo o Brasil, ela já está na terceira geração (em alguns mercados é batizada como Navara), enquanto nos Estados Unidos ela ainda está na segunda geração. E agora ela passa por uma pequena mudança na linha 2020, ganhando um novo motor 3.8 V6 e transmissão automática de 9 marchas, servindo de prévia para a nova Frontier, prevista para 2021.

Segundo a Nissan, o novo motor da Frontier tem 93% de peças novas e, graças a isso, o 3.8 V6 entrega 314 cv. É um aumento de 50 cv sobre o 4.0 V6 usado até então, mas manteve o torque de 38,8 kgfm. A transmissão automática de 9 marchas substitui a velha caixa de 5 posições,  enquanto a variante manual de 5 marchas foi extinta.

2020 Nissan Frontier
2020 Nissan Frontier

Além da potência, a economia de combustível também deve ter uma melhora. A Nissan ainda não divulga os números oficiais, mas afirma que o novo motor será significante melhor do que os 8 km/litro na cidade, 9,7 km/litro na estrada e 8,9 km/litro no ciclo combinado. Virá de série com tração traseira, oferecendo uma caixa de transferência controlada eletrônicamente como opcional.

A Nissan aproveitou para ajustar a oferta da picape, reduzindo o número de versões. A Frontier tem a configuração King Cab com cabine estendida, oferecida tanto com tração traseira quanto integral nas versões S e SV. Já a variante Crew Cab de cabine dupla pode vir com caçamba normal ou alongada. E ainda há a versão topo de linha Pro-4X somente com tração integral.

Galeria: Nissan Frontier 2020 (EUA)

As vendas da Nissan Frontier com o novo motor ainda não começaram e a fabricante não divulgou os preços. A linha 2019 da picape parte de US$ 19.290 (cerca de R$ 81,7 mil). Para o resto do mundo, a Nissan estaria trabalhando na quarta geração da picape média, desta vez compartilhando plataforma não só com a Renault Alaskan como também com a Mitsubishi L200 Triton. As últimas notícias dizem que a Mitsubishi tomou a liderança do projeto por ter mais pressa para colocar o veículo nas ruas e que Nissan e Renault seguirão nos anos seguintes. A picape ainda deve ganhar uma variante híbrida.