Modelo terá motor 1.0 turbo de 122 cv e ainda deve receber uma variante híbrida

O mês de novembro será bem animado para a Honda. Além de apresentar um protótipo da nova geração do Civic no dia 17, a marca ainda confirma que irá revelar o novo Honda City Hatchback no dia 24 de novembro - variante baseada na sétima geração do sedã. Desta vez, será um modelo global e, como Motor1.com adiantou em primeira mão, será produzido em Itirapina (SP) a partir de 2021.

Até esta geração, o Honda City Hatchback já existia, sendo oferecido na China com o nome de Gienia. Isso muda com a nova versão, desenvolvida para ser vendida em outros mercados, tanto que a apresentação será feita na Tailândia. Irá mirar nos mercados emergentes, ocupando o espaço que era do Fit, pois a nova geração do monovolume encareceu bastante com os novos equipamentos.

Galeria: Honda City Hatch - Registro no INPI

Assim como no caso do novo Civic, nós já conhecemos o design do City Hatch por causa de imagens de registro do desenho industrial feitas na Ásia (e depois no Brasil). A parte dianteira será idêntica a que vimos no sedã, mudando a partir da coluna B. A traseira é mais curta, adotando uma nova tampa do porta-malas e um spoiler na parte superior. As lanternas são iguais às do sedã.

Na Tailândia, é dado como certo que terá o motor 1.0 turbo de três cilindros que já equipa o City Sedan por lá. Gera 122 cv a 5.500 rpm e 17,6 kgfm de torque entre 2.000 e 4.500 rpm, sempre com um câmbio automático do tipo CVT que simula 7 marchas. Este motor também está previsto para o Brasil, adaptado para usar etanol também, e ainda deve usar uma nova versão do 1.5 aspirado, agora com 131 cv.

external_image

Ainda há informações de que o City Hatch terá uma versão híbrida em um segundo momento, adotando um sistema parecido com o do Fit, com dois motores elétricos. Teremos mais detalhes sobre esta mecânica no dia 24, pois a Honda irá apresentar também o City e:HEV, variante eletrificada do sedã.

Como Motor1.com adiantou com exclusividade, o City Hatch será a nova aposta da marca no Brasil, seguindo o que a Toyota fez com o Yaris ao oferecer o carro nas duas carrocerias. Será um modelo mais barato por conta do compartilhamento de componentes, para ter preços abaixo do novo Fit – que também virá ao país, mas subirá de patamar.

Projeção: OverboostBR