Sedã está ditando a identidade visual do resto da linha, mas não virá

Apresentado no Salão de Nova York do ano passado, o novo Nissan Altima aparece em registro no Brasil. A marca fez um pedido de proteção do design do sedã, publicado nesta terça-feira (2) pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), mostrando seu desenho externo e também do painel. Porém, pelo que apuramos junto a fontes ligadas à marca, a chance do Altima voltar ao Brasil é praticamente nula.

Galeria: Nissan Altima 2019 - INPI

O novo Nissan Altima desempenhou um papel importante, inaugurando a nova identidade visual Vmotion 2.0 em modelos de produção, que será usada em carros como o novo Versa. Este design é traduzido pela nova grade em V, bem maior do que a atual, e que vai até a borda do para-choque dianteiro. Os faróis são mais finos e inclinados em direção ao centro da entrada de ar.

A traseira tem lanternas na horizontal bem longas, que vão das laterais até a tampa do porta-malas. Um detalhe interessante é a coluna C, com uma máscara negra que faz uma divisão entre o arco do teto e o restante da carroceria. Por dentro, o Altima adianta um pouco do que podemos ver numa reestilização do Kicks. Conta com novos comandos para o ar-condicionado e uma central multimídia com tela flutuante de 7 ou 8 polegadas, compatível com Apple CarPlay e Android Auto.

Galeria: Nissan Altima 2019

Posicionado de forma a brigar com Honda Accord e Toyota Camry, o Nissan Altima tem que vir tão equipado quanto. Por isso, recebe sistemas como frenagem de emergência automática, aviso de colisão frontal e ProPILOT Assist, sistema de condução semi-autônoma com controle de cruzeiro adaptativo e assistente de permanência em faixa.

É vendido com o motor 2.5 de quatro cilindros, atualizado para gerar 190 cv e 24,8 kgfm, enquanto as versões mais caras adotam o novo 2.0 turbo de 251 cv e 37,7 kgfm, substituindo o V6. Todas as configurações do sedã são vendidas com o câmbio CVT e, se equipado com o motor 2.5, ainda pode receber tração integral.

Embora esteja registrado no INPI, o novo Nissan Altima dificilmente chegará ao Brasil. Produzido nos EUA, pagaria impostos demais e chegaria a um preço proibitivo, como acontece com seus rivais. O Honda Accord é comercializado aqui por R$ 198.500, enquanto o Toyota Camry sai por R$ 206.200. Desta forma, o registro deve ter sido feito apenas para proteger o design externo, já que ele é a base para os próximos veículos da empresa. Vale lembrar que o Altima já foi vendido no Brasil, entre 2013 e 2015, tentando surfar na mesma onda que o Ford Fusion.