Não é só no Brasil que tem hatch médio ameaçado...

O Megane sempre foi um dos carros mais bem-sucedidos da Renault, desde o lançamento em 1995, e oferecia várias versões diferentes como sedã e perua. Hoje, ele tem dado trabalho para rivais como Ford Focus e Volkswagen Golf na Europa. Porém, sucesso é relativo e, para a Renault, os números não estão bons. A publicação Auto Express falou com um dos chefes da marca, que revelou que o Megane pode estar em perigo, com as vendas caindo a cada ano desde as 465.732 unidades vendidas em 2010 na Europa. Seria possível que ele está adiantando o adeus ao modelo?

Galeria: Renault Mégane 2020

De acordo com Laurens van den Acker, chefe de design da Renault, a fabricante está estudando transferir o orçamento de desenvolvimento do Megane para modelos mais lucrativos. O novo foco nos veículos elétricos e as vendas cada vez menores do Megane não ajudam o hatch, já que ele emplacou 209.845 unidades em 2019, quase metade do que fazia em 2010. Pior ainda, vendeu somente 2.699 unidades no Reino Unido no ano passado, um de seus principais mercados.

Outro problema é que a concorrência está indo muito melhor, como é o caso do Volkswagen Golf, que vendeu quase 60.000 unidades em 2019 somente nos Reino Unido. "Inevitavelmente, quando começarmos a adicionar uma linha de elétricos ao nosso portfólio, alguns outros veículos terão que sumir porque não podemos pagar o desenvolvimento de tudo isso ao mesmo tempo", explica van den Acker. “O Megane está em um segmento cada vez mais sob pressão. Você precisa colocar seu dinheiro onde está o futuro do mercado.”

Com o Megane recebendo um facelift e uma versão híbrida plug-in no começo do ano, será que a Renault está dando mais tempo para ver se o hatchback irá recuperar seu espaço no mercado? Ou será que a renovação marca o começo do fim de um dos modelos mais famosos da Renault, sem ganhar uma quinta geração?