Política do Rota 2030 não garante incentivos às empresas instaladas aqui

Responsável pela montagem dos modelos Classe C e GLA para o mercado brasileiro desde 2016, a fábrica de R$ 700 milhões que a Mercedes-Benz mantém em Iracemápolis (SP) poderá enfrentar dificuldades para funcionar no ano que vem. Em entrevista concedida recentemente ao site Automotive Business, o presidente da companhia no Brasil e América Latina, Philipp Schiemer, afirmou que as indefinições do governo quanto ao lançamento de uma nova política específica para o setor podem inviabilizar a manutenção das operações fabris por aqui. “Fica difícil”, resumiu o executivo em poucas palavras. 

Leia também:

Mercedes GLA 2018

Inaugurada há menos de 2 anos, a planta paulista foi viabilizada principalmente por conta das políticas de incentivo à produção local lançadas pelo programa Inovar-Auto em 2012. Desde então, este plano concedeu descontos fiscais para empresas que construíram novas fábricas por aqui, ao mesmo tempo em que impôs sobretaxação de 30 pontos percentuais de IPI para veículos importados. Além da Mercedes, marcas como Audi, BMW e Land Rover também se beneficiaram diretamente desse modelo industrial, já que operar apenas via importação tornou-se praticamente inviável.

Mercedes Classe C C250

O grande problema é que o Inovar-Auto será encerrado ainda neste ano e não há definições claras sobre a manutenção dos atuais incentivos. Batizado de Rota 2030, o novo programa idealizado pelo governo para o setor ainda enfrenta dificuldades para sair do papel e, entre suas propostas, poderá não manter o benefício das isenções tributárias - todas barradas pelo Ministério da Fazenda. Apesar desse cenário, Schiemer acredita que alguma regulamentação seja adotada antes da virada do ano e que a nova política possa trazer previsibilidade para mercado.

Mercedes Classe C C250

Quando anunciou que produziria localmente, ainda em 2013, a Mercedes apostava todas as suas fichas no potencial do segmento premium brasileiro. A fábrica serviria não apenas para fugir da sobretaxação tributária para importados, como também para participar de maneira mais firme do mercado. O aprofundamento da crise econômica, porém, afetou diretamente as vendas e os volumes desceram a níveis baixos demais para justificar a produção local. A capacidade instalada é de 20 mil unidades, mas apenas 7 mil exemplares devem ser entregues neste ano. Exportar para compensar a retração interna não é competitivo e, sem incentivos, a situação se complica mais ainda.

Atualmente, Iracemápolis emprega mil funcionários e realiza operações de soldagem de carroceria, pintura e montagem final, mas boa parte dos componentes é importada.

Fonte: Automotive Business

Galeria: Fotos: um passeio pela fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP)

Foto de: Redação