Marca alemã estaria "aconselhando" executivos a não viajarem para os EUA

Em mais um capítulo ligado ao escândalo Dieselgate, a prisão recente de um executivo deixou as coisas um pouco mais tensas no Grupo Volkswagen. Segundo uma fonte disse à agência Reuteurs nesta sexta-feira (13), a empresa alemã estaria aconselhando os altos executivos a evitar viagens aos Estados Unidos pelo risco de eles serem presos por alguma conexão com o escândalo de emissões Dieselgate.  "Vários executivos da Volkswagen foram aconselhados a não viajar para os Estados Unidos", disse a fonte anônima ao serviço de notícias.

O executivo Oliver Schmidt, preso pelo FBI no último sábado em Miami, estava na lista de seis pessoas que deveriam evitar o país norte-americano, disse a fonte. Seis executivos americanos da VW foram condenados - Heinz-Jakob Neusser, Jens Hadler, Richard Dorenkamp, Bernd Gottweis, Juergen Peter e Oliver Schmidt.

Vale lembrar que a marca também terá que pagar US$ 4,3 bilhões em multas pelos crimes de conspiração, obstrução da justiça e falsas informações para a importação de automóveis para os EUA. O porta-voz da Volkswagen não se pronunciou sobre o assunto até o momento.

Leia também:

Fotos: divulgação