Muito antes de se falar em indústria automobilística nacional, já tínhamos por aqui inúmeras fábricas especializadas em vestir chassis de ônibus e mesmo de automóveis. Um exemplo era a Carbrasa (Carroçarias Brasileiras S.A.), fundada no Rio de Janeiro, em setembro de 1947, pelo industrial Mario Slerca e pelo banqueiro Mario Carlo Pareto. A empresa logo se tornou um braço da Volvo do Brasil S.A., que também tinha sede no Rio, e Pareto como um de seus principais acionistas.

Em 1951, a Carbrasa ganhou modernas instalações na Avenida das Bandeiras (hoje Avenida Brasil), altura de Parada de Lucas, onde fazia seus ônibus, quase sempre com chassis de Volvo.

Galeria: Volvo Carbrasa

Além de veículos pesados, a Volvo do Brasil também vendia os robustos (e modestos) carros de passeio PV-444. Até que, a partir de 1953, a importação de automóveis completos começou a ser coibida para estimular o nascimento da indústria nacional.

Os carros de passeio da marca sueca tinham estrutura monobloco, o que dificultava alcançar o grau de nacionalização exigido pelo governo. A Volvo do Brasil, então, encontrou a solução no modelo PV-445, que tinha a dianteira com o mesmo aspecto visual dos PV-444, mas trazia chassi separado da carroceria.

Volvo PV-445 Duett sueca
Volvo PV-445 Duett sueca

Na Suécia, esses chassis tipo PV-445 eram usados em um conversível e em um pequeno utilitário familiar, bem como em uns tantos veículos comerciais compactos. Daí que a Carbrasa decidiu a vestir esses chassis com uma carroceria inteiramente projetada e fabricada no Rio. O alemão Joachim Küsters (um craque no desenho de barcos e automóveis) e o italiano Giuseppe Siccardi (um dos diretores técnicos da empresa, tornaram a ideia realidade).

Lançamento da Volvo PV-445 Carbrasa - agosto de 1956

Mais arrojada que a Duett original

O resultado foi uma pequena caminhonete de duas portas, com a frente arredondada dos Volvo de passeio comuns, porém com traseira bem quadrada, que lembrava a das Dodge Station Wagon 1950/1953, então muito populares por aqui. O desenho brasileiro, diga-se, parecia muito mais moderno que o das rechonchudas e comportadas PV-445 Duett suecas.

Volvo PV-445 Carbrasa - 1957
Volvo PV-445 Carbrasa - 1957
Motor Volvo B4B de 44cv
Volvo PV-445 Carbrasa - 1957

A produção da perua Volvo Carbrasa era bastante artesanal, mas a carroceria tinha estrutura totalmente metálica, numa época em que os ônibus ainda usavam madeira em sua armação. A mecânica era simples, pouco potente e quase indestrutível: o motorzinho Volvo B4B, de quatro cilindros em linha, com comando no bloco e válvulas no cabeçote, 1.414cm³ e 44cv. Estima-se que foram produzidas 320 dessas Volvo Carbrasa, de agosto de 1956 até 1958.

Com as restrições cada vez maiores à importação de componentes, os carros e caminhões Volvo foram sumindo de nossas ruas. Somente em 1979 é que a Volvo iria inaugurar uma fábrica para valer no país, para produzir caminhões em Curitiba.

Das pioneiras station wagons Volvo feitas no Rio só há notícias de duas sobreviventes.

Envie seu flagra! flagra@motor1.com