Dirigimos o novo VW T-Cross: SUV do Polo tem força para liderar

Depois de conhecer o novo SUV compacto na Europa, agora dirigimos o novo Volkswagen T-Cross nacional. Em uma prévia, tivemos acesso a dois protótipos, ambos equipados com o motor 1.4 TSI associado ao câmbio automático de seis marchas. Chamado de "SUV do Polo", ele traz algumas características do hatch, mas também traz itens do Golf.

Leia também

O que é?

O novo T-Cross é construído sob plataforma a MQB-A0, mesma do hatch e do sedã Virtus. Aliás, seria mais justo chamá-lo de SUV do Virtus, afinal o entre-eixos do modelo brasileiro (e chinês) é o mesmo do sedã, com 2.651 mm, ou 86 mm maior que o europeu. Ele também é mais comprido, com o total de 4.199 milímetros, enquanto a altura de 1.568 mm é 1 cm maior, justificada pelo acerto da suspensão. Tudo isso para dar o novo SUV compacto competitividade no mercado local.

Volkswagen T-Cross (Brasil) protótipo

O espaço interno é bom. A ergonomia encontrada no banco do motorista é semelhante à do Polo, com a óbvia posição de dirigir mais elevada. Painel de instrumentos digital, central multimídia, comandos do ar-condicionado, tudo igual. Há diferenças pontuais no desenho do painel, por conta da dimensão, e por abrigar um filete de LED horizontal para iluminação ambiente igual ao do Jetta. As luzes de leitura são em LED, como as do Golf, e também estão presentes para os passageiros traseiros. Freio de estacionamento por alav...