Primeiras Impressões VW T-Cross 250 TSI Highline: Base de Polo, alma e (preço) de Golf

Quando dirigimos o T-Cross ainda camuflado, em outubro, dissemos que o inédito SUV compacto da Volkswagen tinha força para liderar. Faltava, no entanto, saber preços, versões e como ele se comportaria nas ruas. Último a chegar no segmento mais disputado dos últimos tempos, o T-Cross precisa se diferenciar dos concorrentes, satisfazer compradores da mesma faixa do Golf e, além disso, não invadir o espaço do futuro irmão maior Tarek. Será que consegue consegue dar conta do recado? Para buscar essas respostas, dirigimos a versão topo de linha, 250 TSI Highline, por estradas e áreas urbanas entre o Paraná e Santa Catarina.

Volkswagen T-Cross 250 TSI Highline 2019

O que é?

Concorrente de Hyundai Creta, Honda HR-V, Jeep Renegade, Nissan Kicks, Ford EcoSport, Chevrolet Tracker e até do Citroen C4 Cactus, o T-Cross aposta na tecnologia, itens de série e qualidade de construção para se diferenciar. Construído sobre a versátil plataforma MQB A0, ele tem o mesmo entre-eixos de 2.651 mm do Virtus. Isso significa que, mesmo sendo menor que os concorrentes (mede 4.199 mm de comprimento), o SUV da VW oferece bom espaço interno. Os motores são sempre turbo: 1.0 TSI (128 cv e 20,4 kgfm) e 1.4 TSI (150 cv e 25,5 kgfm). O câmbio é sempre automático de 6 marchas, exceto pela versão de entrada manual.

Volkswagen T-Cross Highline 250 TSI

O acabamento interno segue o mesmo padrão do Polo, o que significa muito plástico rígido e nada de espuma injetada. O desenho do painel é legal, com linhas horizontais e uma faixa central que muda a cor conforme a pintura da cabine. O...