Picape receberá 2.0 biturbo diesel de 213 cv e 3.0 V6 biturbo diesel de 253 cv

Agora que o acordo entre Ford e Volkswagen foi aprovado, está confirmado que a próxima geração da Volkswagen Amarok será feita a partir da nova Ford Ranger. A marca alemã realmente deixará o desenvolvimento nas mãos da sua parceira e, segundo o site australiano CarAdvice, isso chegará ao ponto da Amarok usar, no mínimo, dois motores da Ranger. O lançamento acontecerá em 2022, com produção na África do Sul, mas não está confirmada para o Brasil.

De acordo com o CarAdvice, o relacionamento entre as novas Ford Ranger e Volkswagen Amarok é um pouco mais próximo do que imaginávamos. Elas terão a mesma plataforma, que será desenvolvida pela Ford, compartilhando alguns componentes, mas com design diferente por fora e por dentro. “Através de designs e interfaces personalizadas, nós iremos diferenciar os dois modelos claramente. Para nós da Volkswagen Veículos Comerciais, nossa mira com a sucessora da Amarok está nos nosso principais mercados, principalmente África, Europa e Oriente Médio.

Galeria: Volkswagen Amarok 2022 - Projeção

Até agora, acreditava-se que as picapes também seriam diferenciadas em suas motorizações, para que cada fabricante utilize os motores da casa. Mas parece que não será o caso, pois o CarAdvice diz que a Amarok receberá ao menos dois motores da Ford, que seriam o 2.0 biturbo diesel de quatro cilindros e o 3.0 V6 turbo, ambos com o câmbio automático de 10 marchas.

Estes dois motores já haviam sido revelados pelo site CarExpert, citando documentos internos da Ford, para equipar a nova Ranger. O 2.0 biturbo diesel será o motor mais barato já é usado pela Ranger em alguns mercados, inclusive na versão Raptor, entregando 213 cv e 50,9 kgfm. Já o 3.0 V6 biturbo diesel irá substituir o 3.2 Duratorq de cinco cilindros como a opção topo de linha. É o motor da F-150, com 253 cv e 60,8 kgfm.

Caso a Volkswagen decida usar mais motorizações iguais às da Ranger, poderá adotar um sistema híbrido composto pelo motor 2.3 turbo a gasolina e uma unidade elétrica, gerando um total de 367 cv e 69,3 kgfm. É o mesmo conjunto do SUV Explorer e deve entregar um rendimento de 33 km/litro. Até então, a VW negava que ofereceria uma versão híbrida para a picape, mas isso pode mudar por conta dos planos da Ford.

A má notícia é que a nova geração da Volkswagen Amarok parece cada vez mais longe do Brasil. O modelo atual é produzido na Argentina, só que a marca já confirmou que só irá produzir a sucessora da picape na África do Sul. Como não há acordo comercial entre o país africano e o Brasil, a Amarok acabaria pagando os impostos de importação, elevando seus preços. Se ela vier, será nas versões mais caras, já que as configurações mais baratas não teriam valores competitivos.