Lote acabou em três meses e marca avisa os concessionários que não irá atender pedidos feitos após 18 de fevereiro

A procura por carros para Pessoas com Deficiência (PCD) continua alta e, basta uma fabricante entrar neste segmento com uma versão própria para que ela fique em falta pouco tempo depois. Desta vez foi o Volkswagen T-Cross Sense que teve suas vendas suspensas pela fabricante, justamente por conta da demanda muito alta. A marca avisou que irá atender somente os pedidos que foram feitos até o dia 18 de fevereiro. Esta configuração era vendida por R$ 57.629,40, já com as isenções.

Galeria: Volkswagen T-Cross 200 TSI AT

A suspensão das vendas do Volkswagen T-Cross Sense para PCD foi revelada em uma imagem que circula nas redes sociais. Nela, a marca avisa os concessionários que não irá aceitar mais pedidos e que só irá atender as compras feitas até 18 de fevereiro, sem dar uma previsão de quando esta configuração voltará a ser vendida. A VW ainda diz que está buscando alternativas em conjunto com a Associação dos Concessionários (ASSOBRAV) para aumentar a disponibilidade. Em nota, a Volkswagen confirma a suspensão do modelo:

O T-Cross Sense tem tido excelente aceitação do público PcD e seu lote inicial de produção se esgotou. Dessa forma, a empresa não está aceitando temporariamente novos pedidos de clientes, até que a produção seja ajustada para atender à alta demanda pelo modelo no mercado brasileiro.

Lançado em novembro, o T-Cross Sense tinha como destaque o preço de R$ 57.629,40, um desconto de R$ 36.860,60 sobre os R$ 94.490 cobrados normalmente pela versão equivalente para o público geral. A lista de equipamentos é bem semelhante, com a diferença que esta versão perde o sensor de estacionamento e o apoio de braço central. A motorização é 1.0 turbo de três cilindros e injeção direta, que entrega 128 cv a 5.500 rpm e 20,4 kgfm de torque a 2.000 rpm, somente com câmbio automático de 6 marchas.

O vai e vem das versões PCD nas lojas é normal, de modo que o Volkswagen T-Cross Sense não é o primeiro a ter este problema – e nem será o último. A Hyundai já suspendeu as vendas do Creta PCD duas vezes por não conseguir atender a demanda. O mesmo aconteceu com o Nissan Kicks Direct PCD e a geração passada do Toyota Corolla, na configuração XEi. Algumas empresas começaram a trabalhar com cotas mensais para aceitar pedidos, evitando que se formem filas e os clientes fiquem esperando por muito tempo.