Sedã japonês tira nota máxima, enquanto hatch coreano ganha quatro estrelas; modelos Renault fazem o teste duas vezes

O Latin NCAP termina o ano fazendo barulho e divulga o resultado dos testes de segurança para cinco modelos – embora apenas quatro façam diferença para o mercado brasileiro. Segundo a ONG, o Toyota Corolla de nova geração manteve a nota máxima de cinco estrelas, enquanto o novo Hyundai HB20 chegou a quatro estrelas. A parte mais curiosa foi o teste com os Renault Logan e Sandero reestilizados, com apenas uma estrela, o que levou a fabricante a fazer alterações no carro para refazer a prova, passando então a três estrelas.

Vamos falar primeiro dos testes que não exigiram retrabalho. O novo Toyota Corolla recebeu as cinco estrelas para proteção de adultos e crianças, mantendo a nota da geração anterior, mesmo que o protocolo tenha ficado mais rígido desde então. O Latin NCAP classificou a proteção do sedã como boa, embora tenha registrado a região do peito do motorista como “marginal”, pois há estruturas atrás do airbag que podem causar problemas caso o condutor seja maior ou esteja em uma posição diferente. Também criticou a área dos pés, considerada instável. Recebeu elogios por ter controle de estabilidade e 7 airbags de série.

O Hyundai HB20, também em sua nova geração, foi testado somente na versão hatchback. Alcançou quatro estrelas para adultos e três estrelas para crianças. Como conta com controle de estabilidade como opcional, já pode receber mais de três estrelas – desde que a Hyundai se comprometa a equipar todas as versões com o item nos próximos dois anos. A maior crítica ficou para a proteção na região dos joelhos, que tem áreas de risco atrás do painel. Também mostrou um resultado ruim na área do tórax no impacto lateral. Como não tem airbag lateral de série (somente nas versões mais caras) não fez o teste de colisão lateral contra poste, um requisito para receber as almejadas cinco estrelas.

No caso da Renault, o Latin NCAP testou Sandero e Logan reestilizados. A dupla havia recebido apenas uma estrela no teste de 2018 e, embora a fabricante tenha equipado ambos com airbags laterais e controle de estabilidade como opcional, a ONG percebeu que as bolsas extras não protegeram durante o impacto lateral, com uma intrusão significativa e baixa proteção na região do peito. O crash-test frontal revelou uma estrutura instável, embora melhor do que o modelo 2018. Para piorar, o Latin NCAP ainda percebeu que o modelo colombiano tem airbag de 22 litros e com maior área de cobertura do que a versão feita no Brasil e na Argentina (com 18 litros).

Como a ONG iria dar uma nota de uma estrela para proteção de adultos e quatro para crianças, a Renault decidiu mexer no carro. Atualizou o sistema de distribuição de airbags e colocou um dispositivo de absorção de energia para a pelve, item que também deixa o passageiro um pouco mais longe da porta no momento do impacto. Os dois carros foram testados novamente e mostraram melhorias na proteção lateral, o suficiente para que a versão atualizada recebesse três estrelas na proteção para adultos.

Só que agora temos duas notas válidas para Renault Sandero e Logan. A primeira, de uma estrela, vale para os modelos feitos entre abril e dezembro (desde o lançamento da reestilização até agora); enquanto a segunda é válida somente para os carros feitos a partir de 10 de dezembro. O Latin NCAP não revelou se a diferença de tamanho do airbag em comparação ao modelo colombiano foi eliminada ou se continuamos com o de 18 litros.