Marca fez mudanças no motor para reduzir emissões de poluentes

Quando a Kawasaki anunciou sua linha para 2020, havia algumas ausências notáveis na lista, incluindo a famosa Ninja 1000. Duvidamos que a fabricante iria deixar uma das esportivas mais famosas do mundo fora de seus planos, então ela deve ter tido algum motivo para não falar nada naquele momento. O mais provável é que algo estivesse impedido a marca de já confirmar a moto - e foi exatamente isso que aconteceu, como mostram documentos publicados pela agência ambiental California Air Resources Board (CARB). 

As regras de emissões Euro 5 estão forçando as fabricantes a mandar diversas motos de volta à engenharia para atualizar os processos de admissão, combustão e exaustão - tudo para reduzir a quantidade de poluentes emitida. Foi o caso da Ninja 100, que agora aparece na lista de motos aprovadas da Kawasaki para 2020, liberando seu lançamento.

O motor de 1.043 cc continua com as mesmas especificações, embora seja de uma nova família. O modelo atual usa um motor chamado 1.04AAG - o mesmo que equipa a moto há alguns anos. O novo documento lista a unidade como 1.04AAJ. E ele ficou bem menos poluente. O bom é que, apesar disso, segue entregando 142 cv a 10.000 rpm e 11,3 kgfm de torque a 7.300 rpm.

Na seção sobre emissões de poluentes, o documento diz que a Ninja 1000 2021 produz 0,1 g/km de hidrocarbono, 0,1 g/km de hidrocarbono + óxido de nitrogênio e 0,2 g/km de monóxido de carbono. Em comparação, a Ninja atual emite 0,14 g/km, 0,2 g/km e 1 g/km, respectivamente. É uma redução bem drástica. 

Com a confirmação de que a Kawasaki Ninja 1000 será lançada em 2020, só falta saber quando ela será apresentada. A fabricante mostrará duas novas motos na semana que vem, durante o Salão de Tóquio (Japão), sendo que uma será a nova ZH2, além de três novos modelos para o EICMA - um deles deve ser uma moto retrô da família W800.

Fonte: CARB