Calma, os carros eram de Lego

Um crash test pode parecer rude demais com os veículos escolhidos, mas estes procedimentos ajudam os especialistas a deixarem os carros mais seguros. Os resultados destes testes também fornecem aos fabricantes informações valiosas, que ajudam no desenvolvimento de futuros produtos. Atualmente, esta avaliação se tornou mais e mais importante para a indústria em geral, de modo que até mesmo os motorhomes e esportivos elétricos são batidos em nome da ciência. 

A alemã ADAC, o maior clube automotivo europeu com mais de 18 milhões de membros desde maio de 2012, decidiu levar as coisas a um outro nível. A organização bateu dois modelos feitos com Lego, um Bugatti Chiron e um Porsche 911, para ver como os carros em bloquinhos plásticos reagiriam a uma batida a 60 km/h. E os resultados foram..."de quebrar o coração, mas muito satisfatórios", comentou um usuário no Facebook após ver o vídeo. 

O que parecia somente uma brincadeira se tornou mais que um simples vídeo para entretenimento. O ADAC tentou descobrir até onde estes crash-tests em miniatura podem substituir os testes em tamanho real. É como um simulador dos testes de impacto. Um dos comentários na rede social deu ainda mais luz ao experimento:

"Como comentado no vídeo, o propósito deste teste foi ver se as simulações podem substituir os crash tests em carros reais. Colocaram mais de 6 mil elementos em simulação (veja em 1:30) e compararam com as imagens das câmeras após os carrinhos baterem. A conclusão é de que as simulações ainda não são tão boas se comparadas aos crash tests reais". 

Infelizmente, ainda precisamos das batidas em tamanho real para melhorar a segurança. A boa notícia é que evitaremos mais kits de Lego sendo destruídos...