SUV com pegada cupê também antecipa traços que podem estar presentes no futuro T-Sport

Antecipado como carro-conceito há pouco mais de um ano, o Atlas Cross Sport finalmente se torna realidade no portfólio da Volkswagen. Desenvolvido sobre a plataforma MQB que já sustenta seu irmão mais longo de 7 lugares, o estreante aposta na fórmula cupê e nas linhas mais dinâmicas da carroceria para abrir espaço para a marca entre o público mais jovem. As vendas nos Estados Unidos serão iniciadas no ano que vem e, além do design, o modelo apostará fortemente no quesito preço, que apesar de ainda não ter sido divulgado certamente será inferior ao valor cobrado pelos principais rivais (em grande parte situados no segmento premium). A produção será concentrada no Tennessee ao lado do Passat e do Atlas tradicional.

Galeria: Volkswagen Atlas Cross Sport 2020

Na comparação com o irmão mais velho, o Cross Sport é aproximadamente 7,1 centímetros mais curto e 5,8 cm mais baixo, já que troca a terceira fileira de bancos por um teto com caimento mais estiloso. Curiosamente, conserva a distância entre-eixos de 2,97 metros e oferece considerável espaço interno. Segundo a Volkswagen, são 1.141 litros de espaço para bagagem no porta-malas e 2.203 litros com a segunda fileira de bancos rebatida. Graças às dimensões reduzidas e à suspensão modificada, o Cross Sport se torna mais dinâmico que o irmão. No entanto, características como calibração da direção e respostas do acelerador são exatamente as mesmas.

Volkswagen Atlas Cross Sport 2020
Volkswagen Atlas Cross Sport 2020

No visual, a fidelidade em relação ao conceito é evidente. Nesse sentido, as linhas são mais agressivas que no Atlas familiar e se enquadram melhor na proposta de jovialidade que a Volkswagen ter passar. A dianteira tem design exclusivo para faróis, grade, para-choque e capô, enquanto a traseira (além do caimento próprio do teto) tem lanternas redesenhadas e nova tampa para o porta-malas. Completam o pacote revestimentos cromados mais em novos detalhes e rodas de até 21 polegadas com desenho exclusivo. O modelo das fotos, configurado na versão R-Line, adiciona ainda elementos em preto brilhante no lugar de alguns cromados e logotipos específicos.

Por dentro, o volante é exclusivo e o pacote de itens de segurança adiciona novos sistemas. Entre eles, destaque para o chamado Traffic Jam Assist, que otimiza o funcionamento do controle de cruzeiro adaptativo e dos sistemas de manutenção de faixa, mantendo a distância em situações de tráfego lento de zero até 60 km/h. O sistema também integra o funcionamento do start-stop e avisa ao motorista sobre a sinalização rodoviária. Outros recursos incluem quadro de instrumentos digital com tela de 10,25 polegadas, hotspot compatível com internet 4G LTE, sistema de áudio premium com 12 alto-falantes, bancos dianteiros aquecidos e ventilados, entre outros.

Sob o capô, as opções de motorização são exatamente as mesmas do Atlas: 2.0 turbo de 239 cv e 35,7 kgfm de torque ou 3.6 V6 aspirado de 280 cv e 36,8 kgfm. O câmbio é sempre automático de 8 marchas, que opcionalmente trabalha em conjunto com tração integral 4Motion. No Brasil, é cotado para ocupar a vaga deixada pelo Touareg, que ficou refinado e caro demais na nova geração, e deve chegar entre 2020 e 2021.

Fotos: Divulgação