Nossa premiação com os carros de melhor custo-benefício revela os campeões de 2018

No último sábado (14) ficou completa nossa lista dos 10 carros com o melhor custo-benefício do mercado brasileiro. Após analisar 364 modelos, chegamos aos vencedores em cada categoria, divididas por preço. Para começar, levamos em consideração o carro em si, ou seja, como ele se posiciona como produto diante dos concorrentes. Depois, além do preço, levantamos os custos de seguro, revisões e cesta de peças, e por último a desvalorização. Se você perdeu a publicação diária que fizemos desde a semana retrasada, com uma categoria por vez, segue abaixo a lista completa dos vencedores. Clicando no link, você pode conferir também o segundo e terceiro colocados, além de uma dica de nossa equipe, em cada categoria.  

Leia o regulamento:

 

Até R$ 45 mil: Renault Kwid Zen

Seleção M1

Preço: R$ 37.490

Revisões: R$ 1.053,90

Desvalorização: 8,0%

Seguro: R$ 1.665,00

Cesta de peças: 1.694,00

O Kwid teve alguns problemas no começo de sua carreira no Brasil, com uma série de recalls e atrasos de entrega que acabaram por manchar um pouco sua imagem. Mas, com o tempo, a Renault foi corrigindo as falhas e ajustando a produção para atender à demanda. O hatch é compacto e tem acabamento simples, mas agrada pelo bom porta-malas (290 litros) e foi bem nos testes de impacto do Latin NCAP (3 estrelas), ajudado pelos airbags laterais (de série desde a versão de entrada). A versão intermediária Zen é a nossa escolhida por vir com os itens mais desejados, como direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos, além de rádio com Bluetooth, por menos de R$ 37,5 mil. Custa R$ 5 mil a menos que o rival Fiat Mobi Drive e ainda é mais barato nas revisões e na cesta de peças, sem contar o seguro. O motor SCe 1.0 de 3 cilindros é econômico e, embora com apenas 70 cv e 9,8 kgfm, move com agilidade os somente 779 kg do carrinho.    

 

De R$ 45 mil a R$ 55 mil: Toyota Etios X Automático

Seleção Etios

Preço: R$ 53.440

Revisões: R$ 1.111,44

Desvalorização: 5,57%

Seguro: R$ 2.400,00

Cesta de peças: 1.832,26

A versão de entrada do Etios se caracteriza pela simplicidade, abrindo mão até do sistema de som, mas traz itens importantes para o comprador, como o câmbio automático e os controles de tração e estabilidade. Além disso, é o que menos desvaloriza da categoria e tem as revisões mais baratas (assim como o seu irmão sedã), bem como o preço do pacote das peças. O seguro não é o mais barato do segmento, mas é menor que do segundo e terceiro colocados. Apesar de ter apenas 4 marchas, o câmbio automático conversa bem com o motor 1.3 (98 cv e 13,1 kgfm), formando uma boa dupla para o dia a dia urbano. 

 

De R$ 55 mil a R$ 65 mil: Fiat Cronos Drive

Fiat Cronos Seleção

Preço: R$ 57.490

Revisões: R$ 1.196,00

Desvalorização: 9,8%

Seguro: R$ 2.520,00

Cesta de peças: R$ 2.578,03

O sedã do Argo fatura o título por entregar um projeto moderno, bom espaço interno, amplo porta-malas e uma vistosa lista de equipamentos de série - incluindo a desejada multimídia Uconnect com tela de 7". Tudo isso com preço de briga e custos baixos de pós-venda, contando o seguro mais barato. Nossa indicação vai para a versão Drive, que consideramos a mais equilibrada em termos de desempenho e consumo. O motor 1.3 Firefly é econômico e, com 109 cv e 14,2 kgfm, não decepciona nem com o Cronos carregado. Seu porta-malas é dos maiores do segmento, com 525 litros. Fica devendo um câmbio automático de verdade (há opção do automatizado GSR) e o controle de estabilidade, só oferecido no modelo Drive GSR. 

 

De R$ 65 mil a R$ 75 mil: VW Polo Comfortline TSI

VW Polo Selecao

Preço: R$ 67.990

Revisões: R$ 1.216,20

Desvalorização: 9,2%

Seguro: R$ 3.060,00

Cesta de peças: R$ 2.227,68

A nova geração do Polo chegou com status de modelo global e aproveitando a plataforma do Golf em versão simplificada (MQB-A0). Isso lhe rendeu, além da boa dirigibilidade, uma estrutura 5 estrelas em segurança (Latin NCAP) e itens de carros mais caros, como o diferencial auto-blocante XDS. Também destaca-se pelo motor 1.0 com turbo e injeção direta (128 cv e 20,4 kgfm), que garante o melhor desempenho da categoria e consumo contido. A versão Comfortline já vem com câmbio automático, airbags laterais, ar-condicionado, conjunto elétrico, multimídia de 6,5", controles de estabilidade e tração, rodas de liga aro 15" e sensor de estacionamento traseiro. Por mais R$ 1.865, recebe chave presencial e botão de partida, retrovisor eletrocrômico e borboletas no volante, entre outros itens. Para fechar, ainda tem a cesta de peças mais em conta e o menor seguro entre os finalistas.   

 

De R$ 75 mil a R$ 85 mil: VW Virtus Highline TSI

Virtus selecao

Preço: R$ 79.990

Revisões: inclusas na compra do carro

Desvalorização: 12,2%

Seguro: R$ 3.600,00

Cesta de peças: R$ 2.591,30

O Virtus é um dos modelos mais elogiados em nossos comparativos e avaliações. Com a plataforma MQB-A0 e motor 1.0 TSI, tem um dos conjuntos mais modernos do mercado e, nesta faixa de preço, leva boa vantagem. Além disso, a Volkswagen dá as três primeiras revisões gratuitas para a versão topo do sedã, e isso também ajudou aqui. Além disso, tem vasto pacote de equipamentos de série e, por R$ 4.690 extras (R$ 84.680 no total), vem com os exclusivos painel digital e multimídia de 8", entre outros itens. Empata com o Toyota Yaris Sedan no seguro e devolve com o pacote de peças mais barato, só perdendo para o Nissan Sentra S (segundo colocado na categoria). 

Revisões: R$ 1.208,00

Desvalorização: 7,4%

Seguro: R$ 4.300,00

Cesta de peças: R$ 2.461,43

Lançado em 2016 inicialmente importado do México, o Nissan Kicks caiu no gosto do público brasileiro. Após a nacionalização, no ano passado, ganhou versões mais acessíveis e passou a figurar entre os mais vendidos do segmento - o que faz dele um carro que desvaloriza pouco. Você pode questionar que o motor 1.6 de 114 cv oferece desempenho limitado, mas a vitória do Kicks se deu nos equipamentos e nos custos, principalmente da cesta de peças (4x mais barata que a do Chevrolet Cruze, segundo colocado). Nesta versão topo de linha SL, o SUV feito em Resende (RJ) vem de série com painel de instrumentos com tela TFT de 7" configurável, ar digital, ESP, 6 airbags, câmera 360 graus para manobras e, por mais R$ 2.400, recebe ainda LEDs nos faróis e alerta de colisão com frenagem automática. 

 

De R$ 100 mil a R$ 120 mil: Honda Civic EXL

CIVIC SELECAO_OK

Preço: R$ 107.990

Revisões: R$ 1.279,00

Desvalorização: 5,6%

Seguro: R$ 4.630,00

Cesta de peças: R$ 4.664,90

Na eterna briga contra o arquirrival Corolla, o Civic leva a melhor desta vez. Primeiro, se mostrou um carro superior no último comparativo entre os dois aqui no Motor1.com, com destaque para a dinâmica apurada. Segundo porque é mais equipado, trazendo tela TFT de 7" colorida no quadro de instrumentos, ar-condicionado de duas zonas e sensores de estacionamento na dianteira e traseira, entre outros itens. Terceiro porque o Honda é mais barato de manter. Ele custa um pouco mais na hora da compra, mas tem as revisões e o seguro mais em conta, além de desvalorizar menos. Não tem o motor 1.5 turbo da versão Touring, mas o 2.0 aspirado (155 cv e 19,5 kgfm) dá conta do recado em conjunto com câmbio CVT que simula 7 marchas no modo manual.   

 

De R$ 120 mil a R$ 140 mil: VW Tiguan AllSpace

TIGUAN selecao

Preço: R$ 124.990

Revisões: inclusas na compra do carro

Desvalorização: 9,8%

Seguro: R$ 5.620,00

Cesta de peças: R$ 7.845,66

A estratégia de preços da Volkswagen com o Tiguan fez a diferença nesta categoria. Vindo do México, sem pagar Imposto de Importação, o modelo tem sua versão de entrada tabelada a R$ 124.990, valor que o deixa em distância confortável dos rivais Chevrolet Equinox e Peugeot 3008. Mesmo sendo o modelo "básico", já vem com ar digital de 3 zonas, 6 airbags, ESP, multimídia de 8" com GPS e sensores de estacionamento na frente e atrás - o único opcional é o teto solar panorâmico, por R$ 4 mil. Também tem a vantagem de ser flex, sendo equipado com o mesmo motor 1.4 TSI do Golf (150 cv e 25,5 kgfm) ligado ao câmbio DSG de dupla embreagem (contra Tiptronic no hatch médio). Como no Golf, o Tiguan tem as três primeiras revisões inclusas no valor de compra do carro, e isso também ajudou a decidir o vencedor. Entre os três primeiros, no entanto, sua cesta de peças é a mais cara. 

De R$ 140 mil a R$ 160 mil: Chevrolet Equinox Premier

EQUINOX selecao

Preço: R$ 157.990

Revisões: R$ 1.340,00

Desvalorização: 12,3%

Seguro: R$ 6.750,00

Cesta de peças: R$ 11.734,00

Desde o lançamento, o Equinox Premier chamou a atenção por seu conjunto mecânico. Utiliza o motor 2.0 turbo com injeção direta de gasolina (262 cv e 37 kgfm), emprestado da versão de entrada do Camaro nos EUA, que garante ótimo desempenho. Vem ligado ao câmbio automático de 9 marchas e tração 4x4 com bloqueio (que pode ser usada na terra ou mesmo no asfalto seco, para aumentar a aderência). Pelos R$ 157.990 cobrados por esta versão de topo, traz itens como teto-solar panorâmico, alerta de colisão frontal e de tráfego cruzado, monitor de ponto cego, sistema de som com falantes da Bose e tampa do porta-malas elétrica, entre outros itens. Possui ainda amplo espaço interno e rodar macio, como convém a um SUV familiar. A desvalorização é a mais alta dos três, mas as revisões são mais baratas que do Peugeot 3008 e a cesta de peças custa menos que a do Jeep Compass.

 

De R$ 160 mil a R$ 200 mil: VW Passat Highline

PASSAT selecao

Preço: R$ 164.620

Revisões: R$ 1.640,66

Desvalorização: 7,6%

Seguro: R$ 7.400,00

Cesta de peças: R$ 11.114,93

A linha 2018 do Passat veio com uma boa surpresa. A redução de preço passou dos R$ 13 mil e melhorou consideravelmente a relação custo/benefício do modelo. Bastante elogiado durante nossos testes, o sedã usa o mesmo motor do Golf GTI, ainda com 220 cv e 35,7 kgfm, e câmbio DSG de 6 marchas - um conjunto que garante a ele uma boa dose esportividade sem perder o conforto e status que esta categoria exige. Vem bastante equipado, incluindo painel digital, central multimídia de 9,2" e piloto automático adaptativo (único opcional é o teto solar). Também é o que menos desvaloriza no segmento.

 

Obs: Todas as cotações e preços foram fechados no dia 1 de julho, não contemplando, portanto, aumentos após esta data.

Fotos: arquivo Motor1.com e divulgação