Embora VW negue problemas, governo dos EUA viu cinto rasgar em dois testes de colisão e pode fazer recall de 110 mil unidades

O Volkswagen Tiguan se envolveu em uma polêmica nos Estados Unidos. Os testes de colisão do National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) feitos com o modelo detectaram um problema no cinto de segurança do motorista, que se rompeu em dois crash-tests. Isso levou o governo norte-americano a investigar se a VW terá que fazer o recall de 110 mil unidades do SUV no país. A marca nega que exista um defeito.

VW Tiguan - NHTSA

Segundo o relatório do NHTSA, os cintos se romperam nos testes de colisão frontal feitos em dezembro, nos quais o carro bate contra uma barreira rígida a 35 milhas por hora (56 km/h). Nos dois testes, “o cinto de segurança do motorista rompeu completamente, não aguentando a tensão onde ele passa pela trava”. Isso levou a agência a pedir uma resposta da Volkswagen, incluindo detalhes da produção e dos testes internos da empresa.

 

No documento publicado, o NHTSA diz que a Volkswagen fez novos testes e concluiu que o problema estava cordão umbilical do boneco de testes, que exerceu uma força adicional que não seira vista em uma situação comum, causando o rompimento. Portanto, o problema não estaria no cinto, e sim na forma como o teste foi feito.

Mais do VW Tiguan:

A resposta da VW levou a uma nova análise por parte do NHTSA, mais detalhada. E a conclusão foi que o cinto de segurança não aguentou por não ser forte o suficiente. Abriu mais uma investigação, desta vez de engenharia do produto e, se falhar, a Volkswagen terá que convocar 110 mil unidades do Tiguan nos EUA – isso se as agências de segurança viária no resto do mundo não seguir o exemplo e pedir pelo reparo em outros países. A Volkswagen não diz se o mesmo cinto de segurança é utilizado em outros modelos.

Fonte: NHTSA

Galeria: VW Tiguan AllSpace BR