Enfim a VW tem um SUV compacto pra chamar de seu. Mas a concorrência dorme de olhos abertos

Foram longos 16 anos de espera entre o lançamento do Ford EcoSport, o primeiro SUV compacto nacional, e a efetiva entrada da Volkswagen no segmento, que acontece agora em abril com o T-Cross. A marca alemã chegou a tentar acompanhar a onda aventureira com o CrossFox (que fez sucesso no lançamento) e o Taigun, crossover derivado do up! que não passou da fase de conceito. Após tanta espera, o T-Cross chega cercado de muita expectativa, não somente dos clientes, como também do mercado em geral. Afinal, quem ri por último ri melhor?

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Para tirar essa dúvida, preparamos um comitê de recepção com os rivais mais fortes: o Hyundai Creta, que foi o SUV compacto mais vendido em 2018 e chegou a ser usado pela VW como referência no desenvolvimento do T-Cross; e o Honda HR-V, que foi reestilizado e aprimorado para a linha 2019, além de ter sido o mais vendido da categoria entre 2015 e 2017.

A VW realizou a apresentação do T-Cross em partes, começando pela versão topo de linha Highline 1.4 TSI, tabelada a R$ 109.990. Para o comparativo, escalamos então o Creta Prestige 2.0, de R$ 104.990, e o HR-V EXL 1.8, que custa R$ 108.500. 

Espaço e praticidade

O projeto original do T-Cross previa um crossover do Polo. Tanto que na Europa ele nasceu com o mesmo entre-eixos do hatch, de 2,56 metros, como um carro urbano mais descolado. Para o Brasil e América Latina em geral, onde o poder aquisitivo é menor, o T-Cross precisa fazer o papel de carro da família. A engenharia local então usou a base do Virtus, com entre-eixos de 2,65 metros, para o SUV. O resultado não desequilibrou o design e ainda deu ao modelo um porte mais próximo de seus oponentes, chegando a 4,2 metros de comprimento. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Lado a lado com Creta e HR-V, porém, o T-Cross ainda parece (e realmente é) pequeno. O Hyundai é 7 cm mais comprido e 6,5 cm mais alto, enquanto o Honda é 9 cm mais longo e 2,1 cm mais largo. Ainda que tenha o maior entreeixos (4 cm a mais que o HR-V e 6 cm extras em relação ao Creta), o modelo da VW é o mais acanhado por dentro. Leva bem até quatro adultos, com boa acomodação para as pernas no banco traseiro, mas é claramente mais baixo e estreito, tendo a maior restrição a um eventual quinto ocupante.    

O menor porte do T-Cross também pode ser visto no porta-malas. Com capacidade para 373 litros, ele tem o compartimento um tanto raso se comparado ao do Creta (431 litros) e HR-V (437 litros). Para amenizar o problema, a VW brasileira bolou uma solução que deixa o encosto mais vertical e eleva a litragem para 420 l, mas o banco traseiro fica um tanto desconfortável - melhor seria ter o banco traseiro corrediço como no modelo europeu. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

A dupla asiática é mais espaçosa, e acomoda melhor os ocupantes que o T-Cross. O Creta é mais espaçoso na frente, mas o HR-V é mais aconchegante com seu console elevado que envolve o motorista, além de ter a exclusividade do "magic seat", solução que permite elevar os assentos traseiros para levar objetos volumosos (como uma bike, por exemplo) em virtude do tanque de combustível ser posicionado embaixo do banco do motorista. 

O Honda, no entanto, é o único a não ter saída de ventilação exclusiva para o banco de trás, e ainda deixa as entradas USB/AUX escondidas na parte de baixo do painel. Também só ele não possui partida por botão, ainda exigindo girar a chave. 

Vantagem: Creta e HR-V  

Acabamento e equipamentos

Ser derivado do Polo também prejudicou o T-Cross no acabamento. Afora alguns detalhes de desenho e apliques coloridos, ele transmite quase a mesma sensação do hatch por dentro. Você pode até relevar os plásticos rígidos num carro de R$ 60 mil (Polo), mas já começa a incomodar num de R$ 80 mil (Virtus) e se torna um aspecto negativo num de R$ 110 mil como esse T-Cross Highline. O Creta também usa plásticos duros em sua composição interna, mas com peças de tato mais suave e brilho fosco, que transmitem melhor impressão a bordo. No VW, a textura e o brilho dos plásticos remetem a um carro mais barato. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Neste ponto, o HR-V é o que mais justifica seu preço. Ele tem superfícies macias cobrindo as laterais das portas, partes do painel e também o console central. Isso deixa o interior mais refinado e também mais silencioso com o passar do tempo. O problema do Honda está na lista de equipamentos mais enxuta, sem nenhum item que se destaca dos rivais. 

O Creta tem a exclusividade do banco do motorista ventilado e, a partir da linha 2019, passa a oferecer como acessório um smartwatch que serve como chave presencial. Também possui farol com luz de curva e retrovisores rebatíveis eletricamente. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Para compensar a simplicidade interna, o T-Cross oferece opcionais bem legais, como o cluster digital (tela TFT de 10,2") e a multimídia Discover Media com tela de 8" e o seletor de modo de condução, além do teto solar panorâmico. Também à parte, é possível adicionar o sistema de estacionamento automático (park assist) e os faróis full LED com luz de condução diurna também em LED. Por fim, há um sistema de som especial da Beats com subwoofer. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Completo assim, o T-Cross abre vantagem dos orientais em itens de comodidade e tecnologia. O painel digital é bem mais moderno que os analógicos com pequenas telinhas LCD dos concorrentes, além de poder variar os mostradores com visualizações diversas (de consumo, GPS, etc). A multimídia da VW também é a mais avançada, com uma tela de maior resolução e mais recursos. Mas tudo isso tem um preço, como veremos na análise de custos mais à frente.  

Vantagem: HR-V e T-Cross

Ao volante

Motor turbo não costuma ter muito efeito sobre os compradores de SUVs compactos (os mais vendidos ainda são aspirados), mas a VW vem seguindo a tendência do downsizing em seus últimos lançamentos, e com o T-Cross não é diferente. Além do 1.0 TSI da família Polo, o SUV estreia na plataforma MQB-A0 o 1.4 TSI vindo do Golf, sempre ligado ao câmbio automático Tiptronic de 6 marchas. Com 150 cv, ele perde em potência para o 2.0 aspirado do Creta (166 cv), mas dá um banho no torque (25,5 kgfm contra 20,5 kgfm). 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Como esperado, o T-Cross se mostrou bem mais rápido que os rivais, com boa pegada desde baixos giros (o torque máximo surge logo a 1.500 rpm) e uma esperteza que agrada principalmente na cidade. Se não pegar leve com o acelerador, ele chega a ser brusco nas arrancadas. Traduzindo esta vantagem em números, o SUV da VW cravou o 0 a 100 km/h em 9,1 segundos, contra 9,9 s do Creta e 11,4 s do HR-V. Nas retomadas ele também foi pelo menos 1 segundo mais ágil que os rivais de 40 a 100 km/h e 0,6 s de 80 a 120 km/h. 

Embora não acompanhe o ritmo do T-Cross, o Creta também mostra força principalmente na estrada, onde se usa mais as faixas altas de rotação. O problema é que, para reduzir o consumo de combustível, a Hyundai optou por uma programação de câmbio extremamente conservadora, que faz trocas ascendentes em baixas velocidades. O efeito é que o carro parece lento nas reações, pois tem de reduzir uma ou duas marchas quando aceleramos forte, para então mostrar fôlego. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Já o HR-V foi "amansado" na linha 2019, com mudanças no câmbio CVT para reduzir o ruído dentro da cabine. Perdeu um pouco de agilidade nas respostas, mas ainda assim anda a contento. A transmissão entrega uma condução livre de mudanças, muito agradável no uso urbano, e oferece a opção de trocas manuais por borboletas no volante, simulando 7 marchas no modo manual. Também possui modo esportivo, que falta no Creta. 

O T-Cross também vem com as borboletas e modo esportivo, com mudanças até que ágeis para uma caixa automática convencional. Notamos bom entrosamento entre o motor 1.4 e o câmbio Tiptronic, sem os trancos que incomodam no Polo e no Virtus 1.0 TSI com esta transmissão. O SUV da VW também foi o melhor na média de consumo geral, perdendo para o HR-V por pouco na cidade, mas abrindo margem na estrada (7,8 contra 8,2 km/litro e 11,5 contra 10,8 km/l, respectivamente). Neste item, o Creta perdeu de longe, mesmo tendo o recuso do start-stop (como no T-Cross) que reduz o gasto de combustível em uso urbano. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Em termos dinâmicos, o T-Cross volta a lembrar mais um hatch que um SUV. Com uma direção mais direta e freios fortes, além do motor turbo, ele é o único dos três que convida a uma condução animada. A suspensão, porém, merecia melhor acerto. Ela lembra a do Virtus na maciez, mas, ao menos com as rodas aro 17" desta versão Highline, deixou a desejar na absorção de impactos. Vai bem em pisos lisos, mas bate seca nos obstáculos e também sofre com o efeito da "queda de roda", ou seja, o batente de esticamento da suspensão nos buracos. 

O HR-V mudou da água para o vinho neste aspecto. Antes criticado por ser um tanto "seco" para um SUV, ele teve a suspensão recalibrada para a linha 2019 e enfim aprendeu a passar macio e silencioso sobre nosso piso crocante. Passou a inclinar um pouco mais acentuadamente nas curvas, mas o ganho em conforto (que interessa mais ao público desse carro) compensa. Esta versão EXL também foi beneficiada com novos materiais fonoabsorventes, que deixaram o modelo mais silencioso. 

O Creta tem a dirigibilidade mais anestesiada entre os três. Macio e silencioso, é o que menos convida a acelerar, com uma direção "sonsa" e uma suspensão macia, mas que deixa a carroceria balançar mais nas curvas. Mais pesado e o único com freios a tambor atrás, o Hyundai também teve o pior resultado nas frenagens.

Vantagem: T-Cross 

Compra e manutenção

Mais barato de comprar e com a maior garantia, de 5 anos, o Creta larga na frente e ainda tem o seguro um pouco mais em conta que os demais, com média de R$ 3.700 (perfil homem casado de 45 anos morador da zona oeste da capital paulista com garagem). Não oferece opcionais, apenas o relógio-chave como acessório a R$ 990, totalizando R$ 107.180 no carro testado, que inclui ainda a pintura metálica cinza titanium (R$ 1.200). As três primeiras revisões saem por R$ 1.441,66.

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross
Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Também sem opcionais, o HR-V EXL na cor azul cósmico como o avaliado sai por R$ 109.850, sendo R$ 1.350 da pintura metálica. Custa um pouco menos que o Hyundai na soma das três primeiras revisões (R$ 1.382), mas cobra média de R$ 3.900 pelo seguro. A garantia é de 3 anos, como no VW. 

Equipadão como a unidade das fotos, o T-Cross Highline assusta no preço: R$ 126.730 (contando a pintura perolizada), quase o suficiente para levar um Tiguan básico (R$ 128.990). Isso porque os opcionais estão reunidos em dois pacotes de R$ 4.000 (painel digital e multimídia de 8") e R$ 6.050 (park assist, som Beats e faróis de LED), respectivamente. O único opcional livre é o teto solar, por R$ 4.800. Como no Virtus e no Polo Highline, a VW vai oferecer as três primeiras revisões gratuitas para toda a linha T-Cross. O seguro, porém, é o mais caro, com média de R$ 4 mil pela apólice. 

Vantagem: Creta

Conclusão

O T-Cross é o que se espera de um SUV compacto da VW, pois segue exatamente as últimas apostas da marca: motor turbo e diversos itens de tecnologia, além da dirigibilidade mais próxima de um hatch. Pode ser eleito pelos mais jovens ou casais sem filhos, mas poderia vir com o painel digital e a multimídia de 8" como itens de série, para compensar seu menor porte e acabamento mais simples. 

Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross

Sem evoluções desde nosso último comparativo, o Creta ainda é uma boa opção para famílias, pois é espaçoso e mais equipado que o Honda, mas já começa a dar sinais de que precisa de mudanças. O HR-V evoluiu bem mais do que parece nesta linha 2019, corrigindo seus maiores pecados e se tornando o mais refinado da categoria. Se já tivesse o motor 1.5 turbo do Civic, previsto para o segundo semestre na versão Touring, o SUV da Honda igualaria a maior virtude do T-Cross. 

Então ficamos assim: se desempenho, tecnologia e equipamentos são prioridade, era o SUV da VW que você estava esperando. Agora, se conforto, espaço e refinamento definem a compra, o HR-V segue como a melhor opção.     

Fotos: Mario Villaescusa

Agradecimento especial ao espaço Quinta da Cantareira

Fichas técnicas

  VW T-Cross 1.4 TSI Hyundai Creta 2.0 Honda HR-V 1.8
MOTOR dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16 válvulas, 1.395 cm³, comando duplo variável, injeção direta, turbo, flex dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16 válvulas, 1.999 cm³, comando duplo variável, flex dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16 válvulas, 1.799 cm³, comando simples variável, flex
POTÊNCIA/TORQUE 150 cv a 5.000 rpm / 25,5 kgfm de 1.500 a 3.800 rpm 156/166 cv a 6.200 rpm / 20,0/20,5 kgfm a 4.700 rpm 140/139 cv a 6.500 rpm / 17,3/17,4 kgfm a 5.000 rpm
TRANSMISSÃO automática de 6 marchas; tração dianteira automática de 6 marchas; tração dianteira automática variável CVT; tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson dianteira e eixo de torção na traseira independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS  liga leve de 17" com pneus 205/55 R17 liga leve de aro 17" com pneus 215/50 R17 liga leve de aro 17" com pneus 215/55 R17
FREIOS discos ventilados nas rodas dianteiras e disco sólidos nas traseiras com ABS, ESP e XDS discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, com ABS e ESP discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS e ESP
PESO 1.292 kg em ordem de marcha 1.399 kg em ordem de marcha 1.276 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.199 mm, largura 1.751 mm, altura 1.570 mm, entre-eixos 2.651 mm comprimento 4.270 mm, largura 1.780 mm, altura 1.635 mm, entre-eixos 2.590 mm comprimento 4.294 mm, largura 1.772 mm, altura 1.586 mm, entre-eixos 2.610 mm
CAPACIDADES tanque 52 litros; porta-malas 373 litros tanque 55 litros; porta-malas 431 litros porta-malas 437 litros; tanque 51 litros
PREÇO R$ 109.990 (R$ 126.730 como testado) R$ 104.990 (R$ 107.180 como o testado) R$ 108.500 (R$ 109.850 como o testado)
MEDIÇÕES MOTOR1 BR (combustível: etanol)
    T-Cross 1.4 TSI Creta 2.0 HR-V 1.8
  Aceleração      
  0 a 60 km/h 4,1 s 4,5 s 5,9 s
  0 a 80 km/h 6,1 s 6,8 s

8,3 s

  0 a 100 km/h

9,1 s

9,9 s 11,4 s
  Retomada      
  40 a 100 km/h em S 6,9 s 8,0 s 8,5 s 
  80 a 120 km/h em S 6,4 s 7,0 s 7,6 s 
  Frenagem      
  100 km/h a 0

36,7 m

39,7 m  38,5 m 
  80 km/h a 0 22,8 m 25,0 m  24,6 m 
  60 km/h a 0 12,9 m 13,9 m  13,5 m
  Consumo      
  Ciclo cidade  7,8 km/l 6,3 km/l 8,2 km/l 
  Ciclo estrada  11,5 km/l 10,0 km/l 10,8 km/l 

Galeria: Honda HR-V x Hyundai Creta x VW T-Cross