Cinco anos após ser revelado ao mundo como substituto do Veyron, o Bugatti Chiron está próximo do seu fim. A fabricante de um dos hipercarros mais rápidos do mundo anunciou que está próxima de produzir as 500 unidades previstas para o modelo, já que serão construídos apenas mais 40 Bugatti Chiron para bater a meta estipulada em seu lançamento.

Depois de ser estrear mundialmente no Salão do Automóvel de Genebra em 2016, o Chiron teve sua primeira unidade entregue a um cliente em março de 2017. E desde então o hiperesportivo francês fez sucesso, sendo vendido rapidamente e com sua 100ª unidade sendo entregue em maio de 2018. Apesar do preço do modelo, o ritmo de vendas foi muito bom e a unidade de número 300 saiu da fábrica em março deste ano. Sete meses depois, nada menos que 160 Chiron foram produzidos e enviados as garagens de seus proprietários.

Bugatti Chiron Trio lá fora
Bugatti Chiron Toda a equipe do lado de fora
Lado branco Bugatti Chiron

A Bugatti afirmou que a demanda pelo Chiron aumentou no terceiro trimestre de 2021, principalmente na China. Atualmente, as únicas versões disponíveis para o Chiron são a Pur Sport e Super Sport, com a primeira sendo focada na redução de peso e a segunda na maior potência. O Chiron Pur Sport tem motor 8.0 W16 quadriturbo de 1.500 cv, suspensão mais firme, câmbio com relações mais curtas e 50 kg a menos que a versão normal. Já o Chiron Super Sport usa o mesmo motor W16, mas com 1.600 cv, o suficiente para ir de 0 a 200 km/h em apenas 5,8 segundos e de 0 a 300 km/h em 12,1 segundos.

Bugatti Chiron acima do canto traseiro

Com as últimas 40 unidades já previstas para serem produzidas, o Chiron será aposentado em breve. Com isso, o hipercarro terá que ter um substituto à sua altura, que poderá ser totalmente elétricio, já que a Bugatti se juntou em julho deste ano à fabricante de superesportivos elétricos Rimac – que tem investimentos da Porsche, assim surgindo a nova Bugatti-Rimac. A má notícia para os fãs da marca é que esse pode ser o fim do motor W16 8.0 a combustão.

Rumores apontam que o sucessor do Chiron deverá fazer sua estreia em 2024, com preços bem acima de US$ 1 milhão. Ainda não há detalhes do novo hipercarro, mas certamente os clientes abonados com interesse no primeiro modelo da Bugattti-Rimac o verão antecipadamente antes dele dar as caras. Mas as expectativas são altas, pois atualmente a Rimac tem o Nevera, supercarro elétrico de 1.914 cv e 240,65 kgfm de torque, o suficiente para cumprir o 0 a 100 km/h em apenas 1,85 segundo e atingir os 415 km/h de máxima.

Envie seu flagra! flagra@motor1.com