Há duas décadas, marca voltava ao mercado com estreia no Salão de Paris

A Mini celebra neste mês de outubro 20 anos de relançamento no mercado como marca integrante do grupo BMW. A estreia aconteceu no Salão de Paris do ano 2000 e teve como grande destaque a apresentação do compacto Cooper, totalmente repaginado e atualizado na comparação com o modelo original da década de 1960.

Desde então, a marca firmou posição no segmento de compactos premium e se consolidou com a oferta de veículos de design retrô e pegada esportiva. Além disso, ampliou consideravelmente o portfólio, passou a explorar nichos até então inimagináveis (como o segmento de SUVs) e alcançou diversos mercados para além da Europa.

Galeria: Mini Cooper - 20 anos

Nesta nova fase, o primeiro veículo a sair da linha de produção em Oxford, Inglaterra, em outubro de 2001, foi um Cooper com carroceria pintada na cor amarela. A cor é considerada rara e, combinada com teto e retrovisores pretos, rendeu ao modelo o apelo de "Sunny”. No primeiro ano de vendas na Alemanha, apenas 1 em cada 15 veículos era produzido nesta cor.

Sob o capô, o motor de 116 cv rendia desempenho elogiável para a época. John Cooper, famoso designer de carros esportivos, teceu elogios após seu primeiro test-drive: “O Mini Cooper coloca um sorriso em seu rosto”. Assim como no carro original, havia tração dianteira e motor de quatro cilindros montado transversalmente na frente.

No entanto, foram adicionadas modernidades como suspensão dianteira MacPherson, eixo traseiro multi-link e freios a disco nas quatro rodas com controle de frenagem em curva e distribuição eletrônica de força de frenagem. Também contrastavam com a aura retrô recursos como ar-condicionado automático, aquecimento de bancos e teto solar panorâmico. 

Agora, o próximo passo da marca será dado no campo da eletrificação. O Cooper SE, primeiro modelo totalmente elétrico da marca, e que carrega consigo traços do “Sunny”, está sendo pioneiro na transição para esta nova era da indústria.

Fotos: Divulgação