Acertos dinâmicos desenvolvidos pelos alemães serão aplicados na versão reestilizada que estreia em breve

Apesar de ter fracassado comercialmente e saído de linha sem sequer chegar a ser produzida na Argentina (como previam os planos iniciais), a Mercedes-Benz Classe X deixará um legado importante para a irmã de projeto Nissan Frontier. Conforme relata o site Autoblog Argentina, os japoneses aproveitarão todo o projeto dinâmico desenvolvido pelos alemães e o aplicarão na Frontier reestilizada, que será apresenta no final do ano. 

A Classe X, não custa lembrar, foi lançada na Europa em 2017 a partir de um acordo firmado entre a Daimler e o grupo Renault-Nissan. Adotava o mesmo chassi da Frontier, porém com uma série de reforços estruturais desenvolvidos de maneira exclusiva por engenheiros da Mercedes. A parceria chegou ao fim após vários desentendimento entre executivos, mas todo o know-how criado pelos alemães agora será aproveitado pela Nissan.

Galeria: Nissan Frontier 2020 - Brasil

O site argentino explica que a Classe X adotava exclusivamente o chassi com especificação H60B, equipado com uma série de modificações na comparação com o H60A usado pela Frontier e pela Renault Alaskan. Entre as principais diferenças, destaque para reforços estruturais, barra transversal suplementar e até alterações na parte inferior da cabine, neste caso para abrigar uma central multimídia com tela maior. Outras exclusividades eram freio a disco nas quatro rodas e até vidro traseiro com abertura elétrica.

Todas essas mudanças, pelo menos as estruturais, serão implementadas pela Nissan na Frontier reestilizada que será lançada no último trimestre como linha 2021. Protótipos camuflados já foram flagrados em testes e adiantam que novidades estéticas importantes também serão adotadas. Já a irmã Alaskan, da Renault, provavelmente continuará como está, pois começou a ser produzida recentemente na Argentina ainda com o chassi H60A.

Fotos: Divulgação