"Queremos gerenciar nossas identidades de marca com mais clareza", diz a empresa

Dentro de um ambicioso programa de reposicionamento interno, a Volkswagen quer dar um novo enfoque para duas das principais marcas que compõe o grupo: a espanhola Seat e a tcheca Skoda. Em entrevista concedida recentemente à agência de notícias Automotive News Europe, Michael Jost, chefe de estratégia da companhia, foi claro ao dizer que a partir dos próximos anos o perfil de ambas as fabricantes passará a ser gerenciado com maior nível de clareza. Na prática, a VW continuará sendo a principal marca de volume, mas a Skoda será realçada como alternativa racional orientada para a relação custo-benefício e a Seat assumirá o papel de opção mais esportiva, especialmente com a recém-lançada divisão de alto desempenho Cupra.

Galeria: Seat Ateca FR 2017

“A Seat será representada por carros ainda mais emocionantes, principalmente com os novos modelos Cupra. A Skoda deverá atender aos mercados da Europa Oriental de maneira mais intensa, assim como os clientes que procuram funcionalidade”, afirmou Jost. No caso da Seat, a ideia é torná-la concorrente direta da Alfa Romeo, de tal modo que tenha seu apelo emocional e esportivo mais voltado ao público jovem. Os preços cobrados também serão maiores, na média da concorrente, o que fará com que os modelos espanhóis passem a custar mais que os equivalentes alemães da Volkswagen. A estratégia já vem sendo amadurecida internamente há algum tempo e era defendida até mesmo pelo ex-presidente Ferdinand Piech.

2017 Skoda Kodiaq SE Technology

Já no caso da Skoda, o reposicionamento será um tanto mais trabalhoso. Isso porque a marca evoluiu consideravelmente nos últimos anos e passou a invadir a seara da própria Volkswagen, adotando tecnologias de última geração e se diferenciando dos modelos germânicos apenas pela questão do design. Com base na nova orientação, os modelos tchecos ficarão mais simples, baratos e passarão a priorizar a funcionalidade. A meta será marcar presença de maneira mais firme em mercados do leste europeu e rivalizar diretamente com marcas como Dacia, Hyundai e Kia, que ganham cada vez mais espaço nos países dessa região.