Futura versão sedã do Polo também ganha teaser da lateral

O novo presidente da Volkswagen do Brasil mal assumiu o cargo e já mostra trabalho. Segundo o executivo, o Virtus, sedã baseado no novo Polo, será lançado em nosso mercado em janeiro de 2018. A informação foi divulgada pelo jornalista Fernando Calmon em sua página no Instagram, junto com um teaser que mostra o modelo inédito de perfil.

Leia também:

Antes confirmado apenas para o "1º trimestre do ano que vem", o Volkswagen Virtus será apresentado somente três meses depois do Polo – o hatch foi revelado na última semana de setembro. Ambos usam a plataforma MQB-A0, que dará origem a uma picape inédita que irá concorrer com a Fiat Toro, e um SUV compacto chamado T-Cross.

A marca ainda não divulga informações sobre o sedã, mas já sabemos que ele terá um entre-eixos cerca de 5 centímetros mais longo do que o Polo, ficando na casa dos 2,60 metros. Será igual ao hatch em equipamentos e acabamento, com exceção da motorização. Enquanto o hatch conta com uma versão de entrada com o 1.0 aspirado de 84 cv, o Virtus começará sua linha com o 1.6 MSI de 117 cv.

 

 

Embora tentem esconder como será o design do Virtus, já o vimos sem camuflagem em fotos da fábrica que vazaram na internet. A traseira é elevada e tem uma espécie de “spoiler” na chapa. As lanternas são compridas e vão da tampa do porta-malas até próximo da coluna C. Já a frente é igual à do Polo, com as mesmas alterações no desenho em relação ao hatch europeu.

O flagra mostra duas versões do Virtus. Uma é a 1.6 de entrada (sem um sobrenome como Trendline), com rodas de aço de 15” com calotas e sem faróis de neblina. Na outra foto está o modelo topo de linha, indicado pelo uso de rodas de liga-leve aro 17” e detalhes cromados na moldura das janelas e nos para-choques. Assim como no Polo, contará com o 1.0 TSI de 128 cv e em dois acabamentos: Comfortline e Highline.

Sem preços divulgados, a expectativa é que comece abaixo dos R$ 60 mil, para ficar na mesma faixa de preços que os rivais Chevrolet Cobalt e Honda City, além de ter um boa distância em relação ao Voyage, que perderá as versões mais caras e seguirá na linha como o sedã de entrada da marca.

Fonte: Instagram/Fernando Calmon