Espaço interno e equipamentos eram os destaques do primeiro sedã médio da marca no Brasil

Em breve, chegará às lojas brasileiras o Citroën C4 Lounge reestilizado. Porém, a investida da marca francesa no segmento de sedãs médios é um pouco mais antiga. Em 2007, o público brasileiro conhecia o C4 Pallas, versão sedã do C4 VTR (2 portas) e do C4 hatch, naquele momento já vendidos no país. 

Se a dianteira usava os mesmos elementos do hatch, o mesmo não podia ser dito do restante da carroceria. O sedã ostentava 4,77 m de comprimento (51 cm a mais que o hatch) e entre-eixos de 2,71 m (10,4 cm extras), o que lhe proporcionava um porta-malas de gigantescos 580 litros. Espaço (para ocupantes e bagagem) era um dos principais diferenciais do Pallas diante dos concorrentes da época, como Honda New Civic, Toyota Corolla "Brad Pitt" e VW Bora. 

Citroën C4 Pallas
Citroën C4 Pallas

Como nos C4 hatch e cupê, o Pallas tinha diversas particularidades. Por dentro, o volante com a parte central fixa virou marca registrada da linha C4, além do painel de instrumentos digital centralizado, com apenas o conta-giros instalado acima do volante (abolido em 2010). Usava os mesmos componentes do hatch, com acabamento de bons materiais e diversas peças macias ao toque.

Opcionalmente, oferecia faróis de xenônio direcionais, algo que chama a atenção até hoje. O ar-condicionado digital podia ser de duas zonas, com saída exclusiva para o banco traseiro e regulagem independente de intensidade. Como nos demais C4, o Pallas também oferecia a essência para ser colocada no sistema de ventilação (o famoso perfuminho). 

Citroën C4 Pallas

O Pallas começou a ser vendido no Brasil com o motor 2.0 16V (EW10) movido apenas a gasolina e com 143 cv, em versões com câmbio manual de 5 marchas ou automático de 4 marchas. As opções de acabamento eram GLX, Exclusive e Exclusive Pack. Em 2008, o sedã ganhava motorização flex, chegando aos 151 cv quando abastecido com etanol. As opções de câmbio se mantiveram as mesmas até o fim de sua carreira. 

Leia também:

A produção sempre ocorreu na Argentina, chegando ao fim em 2013, quando o C4 Lounge foi apresentado. Mesmo cheio de destaques e com marketing agressivo (o presidente da Citroën na época, Sérgio Habib, disse que se não vendesse 2 mil unidades por mês seria um fracasso), nunca conseguiu passar da 4ª colocação entre os sedãs médios. Mas chegou a emplacar 1,8 mil unidades mensais no lançamento, fazendo mais sucesso que o C4 Lounge, seu sucessor. Veja as vendas anuais abaixo:

ANO EMPLACADOS
2007 6.154
2008 17.945
2009 12.020
2010 11.945
2011 7.250
2012 3.919
2013 2.489

 

Dados de vendas: Fenabrave

Fotos: divulgação

Galeria: Citroën C4 Pallas