Quando a Fiat apresentou o Argo em 2017, o então diretor da marca, Eugênio Dutra, fez uma declaração bem forte para os jornalistas e concessionários: o Argo iria liderar o mercado e levar a empresa para a 1ª posição no país. Quatro anos depois, parece que estava certo, pois o hatch está disputando a liderança em 2021 com o Hyundai HB20 – em parte, pois foi a Strada que impulsionou a Fiat para a 1ª colocação e sabemos o que acontece com o Onix...

Estes quatro anos desde o lançamento do hatchback serviram para a Fiat começar a posicionar o Argo da maneira correta para os brasileiros. Ganhou mais versões focadas no motor 1.0 e 1.3, ficou mais barato em relação aos valores iniciais de quando chegou às lojas e teve sua lista de equipamentos ajustada. O Fiat Argo 1.0 Drive S-Design é um exemplo, que combina o kit visual S-Design com mais equipamentos, custando R$ 76.740.

Normalmente, o Argo 1.0 Drive é vendido por R$ 72.490 e vem um pouco básico – claro, não tão básico quanto o Argo 1.0 que não tem nem rádio. Já vem com alguns itens como central multimídia de 7” com Android Auto e Apple CarPlay, sensor de pressão dos pneus, direção elétrica, vidros dianteiros elétricos, volante multifuncional, computador de bordo com tela de 3,5” e mais.

O kit S-Design Tech custa mais R$ 4.250 e adiciona sensor de estacionamento traseiro, faróis de neblina, vidros traseiros elétricos, ar-condicionado digital, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, chave presencial e retrovisores laterais com ajuste elétrico. Ainda tem as mudanças visuais, com rodas de liga leve de 15” escurecidas, bancos com acabamento exclusivo e pintura preta para os retrovisores, spoiler traseiro, frisos e interior.

Pelos nossos testes, o Argo 1.0 não é bem o recordista do segmento em desempenho. O motor 1.0 6 válvulas de três cilindros da família Firefly tem 77 cv a 6.250 rpm e 10,9 kgfm a 3.250 rpm, o suficiente para que acelere de 0 a 100 km/h em 15,9 segundos. Não é dos mais velozes, perdendo para o Onix (14,3 s) e HB20 (14,1 s) 1.0 aspirados, mas melhor do que o Polo (16,8 s). É econômico, mas não tanto quanto alguns rivais, registrando 9,0 km/litro na cidade e 13,2 km/litro na estrada. Fica bem abaixo do Onix e do Polo (como você pode ver neste comparativo), mas ainda supera o HB20.

Fiat Argo Drive 1.0 S-Design 2022
Fiat Argo Drive 1.0 S-Design 2022
Fiat Argo Drive 1.0 S-Design 2022
Fiat Argo Drive 1.0 S-Design 2022
Fiat Argo Drive 1.0 S-Design 2022

Apesar disso, é bem esperto na cidade. O indicador de trocas já pede marcha a 1.500 rpm, e o torque máximo aparece a 3.250 rpm, então o hatch passa a sensação de ser ágil em baixa velocidade, principalmente em momentos em que precisa de mais torque, como uma subida. Outro efeito disso é que pede menos reduções de marcha durante uma retomada. É uma pena que a Fiat ainda não investe em um câmbio manual novo, pois a velha caixa ainda tem seus problemas, com o curso longo e uma alavanca não tão precisa quanto dos concorrentes, além de ter apenas 5 marchas.

O conforto é um ponto forte. As vibrações do motor de três cilindros são bem suavizadas e até o som não invade tanto a cabine. A direção elétrica é bem leve durante as manobras, só mostrando mais peso ao andar em alta velocidade, enquanto a suspensão foi ajustada para absorver bastante os impactos. Só podemos ver ela chegar ao fim do curso em uma situação mais exigente, como uma valeta muito funda e passando rápido demais por ela.

A cabine tem um espaço adequado para a categoria, principalmente nos bancos traseiros, onde tem espaço bom para pernas e cabeça. Por outro lado, o motorista tem um problema por conta do acabamento da porta e do console central que invade um pouco a área das pernas. Falando nele, os materiais usados são em agradáveis e, junto com seu design bem resolvido, faz com que o interior do Argo continue bom mesmo depois de quatro anos.

Fiat Argo Drive 1.0 S-Design 2022

O principal defeito do Fiat Argo 1.0 Drive S-Design é um bem forte: seu preço. Por R$ 76.740, esta versão com o pacote opcional é apenas R$ 1.150 mais barato do que a versão Drive S-Design com o motor 1.3 de 109 cv e 14,2 kgfm, com exatamente os mesmos equipamentos. E, obviamente, vale pagar essa diferença para ter um pouco mais de desempenho, mesmo que o consumo aumente um pouco. Só faz sentido caso alguma concessionária ofereça um desconto ou a Fiat mexa de novo na tabela do hatch nos próximos meses e aumente a diferença nos preços entre as duas configurações.

Fiat Argo Drive 1.0

Motor dianteiro, transversal, três cilindros, 6 válvulas, 999 cm3, comando simples variável, flex
Potência e torque 72/77 cv @ 6.250 rpm; 10,4/10,9 kgfm @ 3.250 rpm
Transmissão câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira
Suspensão independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira; rodas de 15" com pneus 185/60 R15
Peso 1.077 kg em ordem de marcha
Comprimento e entre-eixos 3.998 mm; 2.521 mm
Largura 1.724 mm
Altura 1.503 mm
Capacidades porta-malas: 300 litros; tanque: 48 litros
Preço de entrada R$ 72.490 (Drive 1.0)
Preço como testado R$ 76.740 (S-Design)
Aceleração 0 a 60 km/h: 6,3 s; 0 a 80 km/h: 10,7 s; 0 a 100 km/h: 15,9 s
Retomada 40 a 100 km/h (em 3ª): 13,8 s; 80 a 120 km/h (em 4ª): 15,8 s
Frenagem discos ventilados na dianteira e tambores na traseira/ 100 km/h a 0: 43,9 m; 80 km/h a 0: 27,5 m; 60 km/h a 0: 15,4 m
Consumo de combustível cidade: 9,0 km/l; estrada: 13,2 km/l (etanol)
Envie seu flagra! flagra@motor1.com