Teste rápido Fiat Argo Drive 1.0 2018 - A isca de compradores

Quando a linha Argo foi revelada, surpreendeu a opção de motor 1.0 na entrada da gama. Afinal, ele é um modelo maior, substituto do Punto, com uma proposta de estar acima de, por exemplo, Uno e Palio. Mas é essa versão que segura a etiqueta de R$ 46.800, responsável por atrair os compradores para as concessionárias e, quem sabe, levar uma versão mais cara (ou não). Mas para quem quer ficar na versão de entrada, é um bom negócio?

 O que é?

Mesmo sendo uma versão de entrada, o Argo Drive carrega as qualidades das versões mais caras, e isso inclui a boa qualidade construtiva na renovada fábrica de Betim (MG), com muitas soluções vindas dos modelos feitos na fábrica de Goiana (PE). Ou seja, temos no hatch o esmero de modelos como a picape Toro e os Jeep Renegade e Compass. Dos irmãos maiores, também vem a arquitetura eletrônica, como o painel e o sistema de ar-condicionado.

 

Fiat Argo Drive 1.0 - Teste rápido

 

Com o 1.0 de 3 cilindros Firefly sob o capô, sobra espaço num cofre que abriga até o 1.8 Etorq com câmbio automático de 6 marchas. O grande trunfo deste motor é o torque em baixas rotações, já que usa um cabeçote de 2 válvulas por cilindros e comando único com variador. Além disso, o Argo recebe uma programação de acelerador mais rápida, que abre mais a borboleta com menos ação no pedal, para melhorar a resposta e compensar o peso a mais que ele tem. São 1.105 kg, o que não é pouco para um carro 1.0. 

A plataforma MP1 é baseada na do Punto. Ou seja, o Argo trouxe muitas coisas (boas e ruins) do seu antece...