Se você esperava um elétrico chinês acessível, ainda não foi desta vez

A China é o principal mercado de carros elétricos do mundo. Com isso em mente, não é uma surpresa que marcas como JAC e Caoa Chery invistam neste segmento no Brasil tão pouco tempo depois de fabricantes mais tradicionais lançarem seus produtos, como a Nissan (com o Leaf) e a Renault (com o Zoe), sem falar da Jaguar (I-Pace). 

O que é?

O Arrizo 5e foi uma das estrelas do Salão do Automóvel. O sedã elétrico tem praticamente o mesmo visual da versão a combustão, a não ser pela grade dianteira fechada e com a tomada de recarga. Até a tampa de reabastecimento de combustível foi mantida na lateral direita (lógico que sem função), mas isso mostra que eles realmente dividem muitos componentes.

Caoa Chery Arrizo 5e

Segundo a Caoa Chery, das 1.288 peças do Arrizo 5e, 974 delas são compartilhadas com o Arrizo 5, principalmente partes de suspensão, direção e freios, facilitando a manutenção. O conjunto de baterias de 53,5 kWh está no assoalho traseiro, preservando o espaço do porta-malas de 430 litros. O motor elétrico está no eixo dianteiro, gerando o equivalente a 122 cv de potência e 28,1 kgfm de torque. A autonomia é de 322 km, de acordo com o Inmetro. 

Caoa Chery Arrizo 5e
Caoa Chery Arrizo 5e

O tempo de recarga, como em outros elétricos e híbridos plug-in, depende do tipo de carregador utilizado. Em pontos de recarga rápida, é preciso de cerca de 1 hora para ter 80% de autonomia. Nos wallbox, carregador que pode ser instalado em casa, ele chega a mesma autonomia em até 8 horas, enquanto numa tomada de 20A (comum, como a de casa) demora até 20 horas para a recarga completa. 

Como anda?

Pelo pouco contato que tive com o Arrizo 5 a combustão, não sou capaz de opinar quando perguntado sobre as diferenças entre eles ao volante. Se por um lado isso é ruim, por outro tenho diversas novidades para explorar no Arrizo 5e. Começando pelo visual, o elétrico agrada com um desenho mais tradicional do que vemos no segmento, sem aquela necessidade de chamar atenção por ser um EV. 

Caoa Chery Arrizo 5e
Caoa Chery Arrizo 5e

Por dentro, destaque para o painel de instrumentos totalmente digital e para a tela de 10" que remete (apenas no tamanho, pois a resolução e operação são bem piores) aos Volvo e um pouco aos Tesla. A posição de dirigir é a mesma do modelo 1.5 turbo, com bancos grandes e uma coluna de direção que fica devendo a regulagem de profundidade. Em um pequeno e quase escondido botão, o modo de condução varia entre o Sport e o Eco, este recomendado para uso urbano. 

Caoa Chery Arrizo 5e

Neste modo, os 122 cv e os 28,1 kgfm ficam limitados em prol do menor consumo das baterias. Como referência, sua velocidade máxima não passa de 100 km/h e as acelerações são amansadas a um patamar de, no campo das sensações, um sedã compacto 1.0. Consegue fazer o Arrizo 5e sair da imobilidade e se deslocar em vias urbanas com certa agilidade em baixas velocidades e com a suavidade esperada de um carro elétrico. Os freios, como acontece nos EVs, não são tão eficientes apesar do disco nas quatro rodas, e contam com a ajuda do sistema de regeneração com 4 níveis ajustáveis pela central do carro. 

Vale a boa citação para a suspensão do Arrizo 5e. É confortável e absorve bem os buracos da via, mas a direção elétrica é leve demais até mesmo na cidade, o que prejudica a comunicação com o motorista. Outro detalhe é que, apesar da fileira dianteira ser exatamente a mesma do Arrizo 5, a traseira do 5e tem o piso elevado justamente pelas baterias ali armazenadas. Não rouba espaço, mas deixa a posição das pernas com os joelhos mais flexionados, o que irá cansar em trajetos mais longos. 

Caoa Chery Arrizo 5e

Com 322 km de autonomia homologada, este primeiro contato teve direito a uma esticada em uma rodovia. Como a velocidade no modo Eco é limitada a 100 km/h, o modo Sport foi selecionado até para sentir a diferença entre eles. O Arrizo 5e fica mais esperto, com mais disposição até para algumas ultrapassagens e sua velocidade máxima passa a 152 km/h. Mas estradas parecem não ser seu ambiente favorito, já que a bateria perde autonomia com maior velocidade e o conjunto de suspensão e direção estão mais focados no conforto e do que no controle em velocidades mais altas. Mas ele é capaz de fazer curtas viagens sem problemas. 

Quanto custa?

"O primeiro sedã elétrico vendido no Brasil" foi lançado a R$ 159.900. É um preço que o coloca junto do compacto Renault Zoe e perto do hatch médio Nissan Leaf. Se você gostou, nem adianta ir atrás para comprar o seu pois, até janeiro de 2020, ele será oferecido apenas para frotas - a rede de concessionárias ainda está sendo preparada para a manutenção e venda do elétrico, sendo que a primeira será aberta em outubro deste ano em São Paulo. As demais, só em janeiro de 2020. 

A julgar pelo pacote de equipamentos, o Caoa Chery Arrizo 5e é uma opção interessante de elétrico. Até a manutenção já é algo no que a marca trabalha, reforçando que o conjunto de baterias pode ter módulos reparados individualmente (reduzindo o custo) e tem garantia de 8 anos. Mas era esperado um preço mais atrativo (diversos colegas apostaram na faixa dos R$ 120 a R$ 130 mil). 

A Caoa Chery ainda trará mais modelos elétricos da China, como o Tiggo 2. É uma estratégia inteligente considerando sua origem no país que mais vende e mais avança em carros elétricos - mas poderia aproveitar isso para deixar os EVs um pouco mais acessíveis.

Fotos: divulgação

 

Ficha técnica: Caoa Chery Arrizo 5e

MOTOR elétrico permanente de imã; bateria de 53,5 kWh
POTÊNCIA/TORQUE

122 cv; torque 28,1 kgfm

TRANSMISSÃO transmissão de marcha única, tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS liga-leve aro 16" com pneus 205/60 R16
FREIOS discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira, com ABS e ESP
PESO 1.520 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.542 mm, largura 1.814 mm, altura 1.487 mm, entre-eixos 2.650 mm
CAPACIDADES porta-malas 430 litros
PREÇO  R$ 159.900

 

Galeria: Chery Arrizo 5e