Teste instrumentado Toyota Camry XLE 2018: Beleza americana

Set 12, 2018 em 10:22

Por baixo do estilo "tiozão", a nova geração do carro mais vendido dos EUA oferece muito conforto e um poderoso V6 de 310 cv

Quem tem R$ 200 mil para comprar um carro dificilmente olha para um sedã japonês. É que, além da febre dos SUVs, nesta faixa estão alguns dos mais desejados sedãs alemães, como Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes Classe C. O que levaria então o consumidor a ir numa concessionária da Toyota para olhar o irmão maior do Corolla? Bom, o Camry carrega na bagagem o título de carro de passeio preferido há anos nos EUA e, agora nesta nova geração, chega com motorzão V6 com 310 cv e oferece conforto sem igual no banco traseiro. 

Desenvolvido sobre a plataforma modular TNGA da Toyota, que sustenta o híbrido Prius e estará na próxima geração do Corolla, o novo Camry traz como benefícios o aumento de 30% na rigidez torcional (que melhorou a estabilidade e reduziu o ruído interno) e o incremento de 35 mm no comprimento, 15 mm na largura e 50 mm no entre-eixos. Fora isso, o centro de gravidade do sedã foi rebaixado em 40 mm, o que juntamente com a altura do banco do motorista 22 mm inferior, contribuiu para oferecer uma condução mais dinâmica. 

Em termos visuais, o sedã grande da Toyota mantém certo conservadorismo, mas ficou sensivelmente mais jovem com a grande tomada de ar dianteira, além dos faróis Full LED (incluindo os de neblina) e das rodas aro 18". As lanternas traseiras, também em LED, ficaram mais compridas e se ligam por meio de uma barra com o nome do carro. Como não poderia faltar num modelo pensado para o mercado norte-americano, há uma série de detalhes cromados, mas nada exagerado. 

 

É na cabine, porém, que o Camry conquista mais. Começa pelo painel com desenho arrojado na parte central, onde fica a central multimídia, passa pelo quadro de instrumentos com tela TFT de 7" para diversas informações do veículo, e chega ao banco traseiro que merece um capítulo à parte. Não bastasse o excelente espaço para os ocupantes, principalmente os das pontas, há possibilidade de inclinar eletricamente o encosto e, por meio de um painel colocado no apoio de braço central, comandar a temperatura do ar-condicionado traseiro, o sistema de som e subir ou descer a cortina elétrica do vidro de trás. Para completar, há cortinas também nas janelas laterais traseiras, para maior privacidade de quem viaja ali - o dono do carro, por exemplo. 

O interior merece considerações sobre o acabamento, que é realmente premium. Até mesmo o aplique de madeira no painel ficou de bom gosto, sendo mesclado com material metálico, agradável de ver e tocar. A parte central do painel usa o tradicional black piano, enquanto o couro dos bancos e portas pode ser preto (como no carro testado) ou bege (uma novidade). Para o motorista, encontrar a melhor posição é muito fácil: tanto o banco quanto a direção trazem ajustes elétricos, e o assento é uma verdadeira poltrona de tão confortável.

Entre os equipamentos do Camry XLE, vale destacar ainda o ar-condicionado de três zonas (duas na frente e uma atrás) e o sistema S-Flow, que identifica os assentos que estão ocupados para direcionar o fluxo de ar corretamente. Como esperado nesta categoria, o sedã de luxo japonês vem com chave presencial e partida por botão, controles de estabilidade e tração e sete airbags (sendo um para os joelhos do motorista). Também traz a melhor central multimídia que já testamos num Toyota, com tela de 8" e as funções de DVD, CD, GPS, câmera de ré e Bluetooth, além de ter entradas USB e Auxiliar. Também há duas tomadas de 2,1 amperes para o banco traseiro no console central, abaixo das saídas de ar.

Sem moleza

Interessante que, mesmo sendo voltado ao mercado dos EUA, o Camry mantém origens japonesas. Em movimento o sedã obviamente prioriza o conforto, rodando com muita suavidade e silêncio, mas sem parecer molenga ou desajeitado em velocidades elevadas. A direção elétrica firme também foi outra surpresa, apesar de manter a assistência necessária em manobras de baixa velocidade. Instigado pelo empurrão (e pelo ronco) do V6 em altas rotações, o Toyotão é um excelente companheiro para viagens longas em autoestradas bem pavimentadas. 

 

Falando no V6, trata-se de um motor de 3.5 litros e 24 válvulas, que recebeu um novo sistema de variação das válvulas de admissão, além da injeção direta. O resultado foi uma potência de notáveis 310 cv, com torque de 37,7 kgfm a 4.700 rpm. Outra novidade, o uso do ciclo Atkinson possibilita redução de consumo em conjunto com a nova transmissão automática de 8 marchas. Os benefícios ficaram claros nas nossas medições de economia, principalmente na estrada: média de 14,6 km/l de gasolina. Já na cidade, mesmo com o sistema start-stop, a média ficou em 7,2 km/l.

Melhor mesmo é desfrutar do "seis bocas" para acelerar, ainda mais nestes tempos de downsizing, onda que está substituindo os V6 aspirados como esse do Camry por motores de 4 cilindros turbinados, como os 2.0 do Audi A4 e do BMW Série 3. Mesmo sem ter a pegada inicial dos rivais turbinados, que se caracterizam pela entrega do torque máximo em baixos giros, o Camry empolga nas saídas e mais ainda nas ultrapassagens. Basta ver que foram precisos apenas 6,8 segundos no teste de 0 a 100 km/h e somente 4,6 s na retomada de 80 a 120 km/h. Isso sem falar na bela melodia do V6 ecoando pela dupla saída de escape. 

Apesar das respostas contundentes e do bom comportamento dinâmico, porém, não espere esportividade do Camry. Não há, por exemplo, borboletas para trocas manuais de marcha. E as curvas mais fechadas expõem a carroceria a movimentações indesejadas, mostrando que o modelo não foi feito para esse tipo de uso.   

A personalidade diferente dos alemães, entretanto, é justamente a razão de ser do novo Camry. Se você procura algo fora do tradicional "executivo esportivo" dos rivais e um carro mais discreto (o que é uma boa nesses tempos violentos), então você tem sim bons motivos para deixar seus R$ 199.990 numa concessionária Toyota.

Fotos: autor / Motor1.com 

Ficha Técnica - Toyota Camry V6

MOTOR dianteiro, transversal, 6 cilindros em V, 24 válvulas, 3.456 cm3, duplo comando com variador de fase na admissão e escape, injeção direta, gasolina
POTÊNCIA/TORQUE

310 cv a 6.600 rpm; 37,7 kgfm a 4.700 rpm

TRANSMISSÃO câmbio automático de 8 marchas, tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson na dianteira e double wishbone na traseira
RODAS E PNEUS liga-leve aro 18" com pneus 235/45 R18
FREIOS discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS e ESP
PESO 1.540 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.885 mm, largura 1.840 mm, altura 1.455 mm, entre-eixos 2.825 mm
CAPACIDADES porta-malas 593 litros, tanque 60 litros
PREÇO  R$ 199.990
MEDIÇÕES MOTOR1 BR
    Camry V6
Aceleração  
  0 a 60 km/h 3,4 s
  0 a 80 km/h 4,9 s
  0 a 100 km/h 6,8 s
Retomada  
  40 a 100 km/h em S 5,2 s
  80 a 120 km/h em S 4,6 s
Frenagem  
  100 km/h a 0 36,7 m
  80 km/h a 0 21,5 m
  60 km/h a 0 12,1 m
Consumo  
  Ciclo cidade 7,2 km/l 
  Ciclo estrada 14,6 km/l

Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)
Toyota Camry XLE 2018 (teste BR)