Teste rápido Peugeot 208 automático 6 marchas - Espera válida (com vídeo)

Desde 2016, quando foi reestilizado, o Peugeot 208 aguarda pelo câmbio automático de 6 marchas. Veio o eficiente motor 1.2 Puretech de 3 cilindros, a versão esportiva GT 1.6 turbo e até mesmo o "esportivado" Sport. Mas a opção automática, de suma importância atualmente neste segmento, seguia com somente 4 marchas. Para a linha 2018, enfim o hatch adota a mesma caixa de 6 marchas do primo Citroën C3, fornecida pela Aisin, novidade que o coloca em pé de igualdade com os principais concorrentes: Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Ford Fiesta e Fiat Argo, além do recém-lançado VW Polo. 

O que é?

A receita é a mesma do C3. Sai o câmbio "AT8", com 4 marchas, e entra o japonês Aisin de 6 marchas, bem mais moderno e utilizado em larga escala pela indústria. Com isso, a PSA tira de linha uma transmissão que tem histórico de problemas desde os tempos do 206/207 (AL4) e, que mesmo revisada para o 208, guardou a má fama, apesar de poucos relatos de defeitos.

 

Peugeot 208 Griffe AT6

 

Para melhor relação entre motor e câmbio, o 1.6 foi recalibrado. Ficou menos potente (de 122 para 118 cv) e com menos torque (16,4 contra 16,1 kgfm), mas, segundo a PSA, a entrega da força acontece de forma mais linear e mais cedo. É praticamente o mesmo motor já usado no 206, porém, com comando variável na admissão e sistema de partida a frio com aquecedor nos bicos injetores. Além disso, a recalibração foi feita para melhorar o consumo e reduzir as emissões de poluentes.

Ademais, o 208 linha 2018 adota nova central multimídia que a...