Modelo abaixo do Duster será equipado com motores 1.0 aspirado e turbo

Um dos principais lançamentos da Renault neste início de ano, o tão comentado SUV derivado do Kwid parece estar praticamente pronto para chegar ao mercado. A marca entra em ritmo final de testes e a intensificação das avaliações proporciona o surgimento de novos flagras, como o que vemos no vídeo acima.

Nas imagens o modelo ainda aparece relativamente camuflado, mas é possível observar detalhes interessantes, incluindo o porte mais parrudo na comparação com o Kwid, portas maiores e entre-eixos alongado. O lançamento oficial está programada para fevereiro e acontecerána edição deste ano da Auto Expo, principal exposição automotiva da Índia (país que sedia o desenvolvimento do projeto).

Galeria: Flagra: Renault HBC (SUV do Kwid)

O SUV do Kwid chegará ao mercado com a missão de atuar abaixo do Duster, rivalizando na Índia com Hyundai Venue, Maruti Suzuki Vitara Brezza e Tata Nexon. A plataforma será a conhecida base modular CMF-A+, a mesma do Kwid e da minivan Triber. Assim como os principais concorrentes, terá menos de 4 metros de comprimento (característica que rende vantagens tributárias na Índia) e apostará no design arrojado como principal chamariz. Nesse sentido, o HBC (como é chamado internamente o projeto) terá dianteira agressiva com conjunto óptico divido em dois níveis, rodas de liga leve de 16 polegadas, rack no teto e as tradicionais molduras plásticas nas caixas de roda.

Renault HBC SUV 2020

Além disso, focará na redução de custos e terá posicionamento acessível em termos de preço. Para tanto, a Renault compartilhará o máximo possível de peças para ganhar em economia de escala. Por dentro, por exemplo, o painel será muito parecido com o da Triber, tendo apenas diferenças sutis na questão das cores e texturas.

Sob o capô, o conjunto mecânico também será emprestado dos irmãos: motor 1.0 de três cilindros a gasolina e câmbio manual de 5 marchas. Posteriormente, assim como na Triber, a Renault ofertará o novo propulsor 1.0 turbo e acrescentará a opção de transmissão automatizada AMT.

Teria chance no Brasil?

No Brasil, apesar de a Renault ainda não ter confirmado o lançamento, o HBC poderia ser facilmente posicionado no lugar hoje ocupado pelo Sandero Stepway. Neste cenário, a gama da Renault seria formada pelo Kwid como carro de entrada (chamado pelo marketing de 'SUV dos compactos'), seguido pelo novo HBC com 3,99 metros, depois pelo Duster com 4,33 e, por fim, pelo Captur. Você acha que ele faria sucesso por aqui?