Produzido na China, subcompacto será opção de entrada da marca na Europa e deve receber mais equipamentos

O Renault City K-ZE, versão elétrica do Kwid, foi feita para a China, mas pensando no lançamento em outros mercados, como Índia e Brasil. Enquanto por aqui ainda não temos uma confirmação de sua chegada, ao menos um mercado já pode esperar pelo subcompacto: a Europa. Gilles Normand, chefe da divisão de veículos elétricos da Renault, confirmou à Autocar que o pequeno EV será lançado no Velho Continente.

Galeria: Renault City K-ZE 2019

“Uma versão especial do K-ZE virá à Europa”, disse Normand. O executivo não quis dizer muito sobre o carro, sem revelar se ele será vendido como um modelo da Renault ou da Dacia, sua marca de baixo custo. A Autocar diz que ele deve ficar mais equipado, com os equipamentos de segurança que são norma na Europa, além de um possível aumento na autonomia – o modelo chinês pode rodar por 270 km com uma carga só.

A estratégia da Renault com o K-ZE é que ele seja uma opção abaixo do Zoe (que foi reestilizado recentemente) e que seja acessível, com preços por volta de 10 mil libras (cerca de R$ 51,3 mil). Olivier Murget, vice-presidente de vendas da Renault, acredita que o subcompacto pode fazer sucesso na Europa, apesar da queda do segmento, por ser “um carro ideal para compartilhamento”.

Basicamente a versão elétrica do Kwid, o Renault City K-ZE adiantou a reestilização do subcompacto para a Índia. Ele é equipado com um motor elétrico de 42 cv e 12,7 kgfm. Durante a apresentação de sua forma conceitual, executivos da marca disseram ao Motor1.com que ele estava em estudos para o Brasil. Na época, tudo dependia da aprovação do Rota 2030, novo regime automotivo, e dos incentivos dados. Será que um Kwid elétrico abaixo dos R$ 150 mil do Zoe daria certo por aqui?

Fonte: Autocar