Resultados do segundo trimestre de 2019 mostram clara vantagem do grupo francês

Apesar de a lógica do mercado fazer parecer que montadoras de luxo automaticamente acumulam os maiores índices de rentabilidade, a realidade dos números mostra resultados bastante surpreendentes. Prova disso foi publicada nesta semana pela Automotive News Europe, que revela em relatório dados relacionados ao segundo trimestre de 2019 com o grupo PSA significativamente melhor posicionado que marcas premium como Mercedes-Benz e BMW no quesito rentabilidade. A análise aponta que enquanto as fabricante alemãs alcançaram EBIT (lucros antes de impostos e juros) de 1,4% e 2,8%, respectivamente, o conglomerado francês que reúne Peugeot, Citroën, Opel e Vauxhall obteve retorno operacional de 8,7%.

Galeria: Peugeot e208 2019

Até mesmo a Skoda, marca generalista do grupo Volkswagen, obteve margem melhor que as germânicas: 8,1%. O resultado é intrigante quando se leva em conta índices de anos anterior (quando Mercedes e BMW alcançam 10% e 8%, nesta ordem) e mais ainda quando consideramos os altos preços cobrados por essas marcas. A explicação, segundo a Automotive News, está no fato de as marcas estarem investindo pesadas quantias em pesquisa e desenvolvimento, principalmente no tocante à tecnologias para veículos elétricos e autônomos. Além disso, pesa contra a desaceleração do mercado chinês, juntamente com a guerra comercial travada entre China e EUA.

Tanto Mercedes quanto BMW obtiveram grande sucesso financeiro quando o mercado chinês estava em acelerada expansão, mas agora sofrem diretamente com a contração. Por sua vez, a PSA não acumula tanta dependência do país e de certa forma acabou se protegendo da crise.

Fonte: Automotive News Europe