Não é motivo para se preocupar, diz a Ford

Pela primeira vez desde janeiro de 2007, a Fiat-Chrysler vendeu mais do que a Ford nos Estados Unidos. A marca ítalo-americana registrou 199.819 veículos em setembro, um crescimento de cerca de 15%, contra os 197.404 da marca do oval azul, o que dá uma diferença de 2.415 unidades. A General Motors, terceira fabricante do grupo das três grandes de Detroit, não divulga mais suas vendas mensais, porém o Detroit News diz que todas as marcas da GM registraram queda no terceiro trimestre deste ano.

Especialistas acreditam que a decisão da Ford de matar todos os seus hatches e sedãs nos EUA, com exceção do Mustang, tenham causado um efeito negativo muito forte nas vendas. "Isso era esperado para este ano, já que a Ford irá parar de vender sedãs", comenta Michelle Krebs, analista automotiva da Cox Automotive.

Money talks:

Porém, a Ford logo respondeu e minimizou as reações negativas. "Nós não nos preocupamos em concorrer com a FCA. Há meses em que vencemos a General Motors e não nos vangloriamos. É uma questão de momento", disse Mark LaNeve, vice-presidente de Marketing, Vendas e Serviços da Ford EUA.

O crescimento da Fiat-Chrysler foi causado principalmente pelas marcas Jeep e Ram. A Jeep subiu 14% em setembro, graças ao resultado forte de Compass e Cherokee. Desde o começo do ano, a Jeep teve um aumento de 20% nas vendas, enquanto a Ram está empatada com o ano passado, embora tenha crescido 9% no último mês.

2019 Jeep Cherokee: First Drive

Por outro lado, o total de vendas da Ford de janeiro a setembro caiu 2,4%, enquanto a FCA cresceu 6%. A marca do oval azul enfrenta uma recessão recorde na sua divisão de carros, com uma queda de 25,7% em setembro. Outro dado interessante é que as vendas de SUVs e picapes da Ford recuaram 2,7% e 9,9% respectivamente no último mês. A linha F-Series, a van Transit, e os SUVs Expedition e Lincoln Navigator são os únicos veículos da fabricante a registrar um aumento nas vendas.

Source: Detroit News