Se na geração anterior ele não era uma referência em desempenho, o papo é outro agora

Nem sempre carregar a sigla de uma divisão esportiva significa que um carro será empolgante como um bom esportivo. Dentro desta composição, vamos muito além de motor potente, mas também uma boa conversa com outras peças deste conjunto, como suspensão, direção e até mesmo posição de pilotagem e como este carro te corresponde e te passa as sensações.

Confesso que a geração anterior do Audi RS Q3 não me trazia tudo isso, se tornando um esportivo apenas "OK". E não é por ser um SUV, já que diversos concorrentes já estão em um patamar bastante interessante de dirigibilidade. Uma prova aparece justamente com a nova geração do Audi RS Q3, que aqui testamos na nova carroceria Sportback, e que agora merece estar no mesmo showroom dos demais Audi RS e com a praticidade de um SUV (quase) não prejudicada. E que cor é essa? É o Verde Kyalami e faz parte do catálogo "básico" da linha RS Q3. 

Estilo próprio e necessário

Não, a geração anterior do RS Q3 não tinha a carroceria Sportback, mas ele mostra o que ele pode fazer e o que esperar de seu irmão com o corpo mais "convencional". E convenhamos, este estilo diferente casou muito bem com a proposta de um SUV esportivo sem tender ao exagero - a não ser pela nada discreta cor que a unidade testada carrega e pelo estilo próprio que já esperamos de um Audi RS. 

Galeria: Teste: Audi RS Q3 Sportback

Fazer o RS Q3 Sportback não foi simplesmente criar uma traseira com o caimento mais suave do teto para a tampa. A sua carroceria é 45 mm mais baixa que do RS Q3 normal e coloque na conta mudanças desde as colunas, vidros, portas e até mesmo o teto-solar, que aqui não é do tipo panorâmico, mas sim apenas na dianteira, justamente pelo formato do teto. O estacione ao lado de qualquer SUV compacto e perceba que ele é bem mais baixo, além dos 10 mm que a suspensão esportiva tira naturalmente. 

Teste: Audi RS Q3 Sportback
Teste: Audi RS Q3 Sportback

E isso combinou com o RS Q3. Na dianteira, a grade dianteira com colmeias em 3D e enormes entradas de ar combinam com os faróis fullLED, seguindo o protocolo com os apliques laterais que cobrem os 10 mm a mais de bitola no total e as rodas de 21" com largos pneus 255/35 de composto esportivo, até a traseira com o parachoque com belo extrator de ar, ponteiras ovais dupla (marca do escape esportivo RS, adaptativo) e o spoiler traseiro integrado na tampa, esta com operação elétrica. 

Coração lendário e melhorado

Mas ninguém procura o teste de um esportivo sem querer saber os detalhes técnicos. Pois bem, o Audi RS Q3 manteve o lendário 2.5 de 5 cilindros turbo (EA855 evo) da marca alemã. Na comparação com a geração anterior, são 60 cv a mais, chegando aos 400 cv, e 48,9 kgfm de torque (3 kgfm extras) que se cruzam no gráfico de torque e potência (de 1.950 a 5.850 rpm e 5.850 a 7.000 rpm). 

Teste: Audi RS Q3 Sportback

Apesar de usar a base do motor que fez a fama da Audi nas competições, pouco ele traz do passado. Feito todo em alumínio, tem pistões com refrigeração a óleo, revestimento nos cilindros, virabrequim forjado e um cabeçote com duplo comando variável, sendo que no de escape ainda há um variador de abertura das válvulas, além da injeção direta e indireta de combustível. Toda essa matemática nos leva a um motor sempre vivo e com um dos mais belos roncos do mundo automotivo. 

Mas o que não me agradava na geração do Audi RS Q3 não era o motor. Já eram 340 cv, mas faltava algo. Lembro que durante um evento da marca no autódromo Velocittá, foi o único a me decepcionar, devendo bastante em dinâmica e comunicação com o motorista. Era como acelerar um SUV comum com um motorzão, mas sem qualquer coisa além disso. 

Teste: Audi RS Q3 Sportback
Teste: Audi RS Q3 Sportback
Teste: Audi RS Q3 Sportback

Mais do que o motor com 400 cv, a grande virada do RS Q3 vem na troca da plataforma. Finalmente ele recebe a base MQB (substitui a antiga PQ35) e isso nos traz uma evolução construtiva facilmente percebida. Uma estrutura mais rígida e leve faz toda a diferença principalmente quando falamos de um esportivo que exige bastante destes componentes tanto nas acelerações quanto na dinâmica. 

Ao sentar no RS Q3, já percebemos um ponto da evolução. Se antes a posição de dirigir era alta e bastante "cadeirinha", o SUV deixa o motorista em uma posição mais baixa, como um hatchback, e os comandos como volante, este revestido em Alcantara e de base reta, e pedais, com belo acabamento em alumínio, bem mais centralizados. Os bancos esportivos abraçam o corpo sem deixar de lado o conforto e completam o pacote. 

Bem mais que só um motorzão

O RS Q3 Sportback usa o câmbio S-Tronic (automatizado de dupla embreagem) com 7 marchas e sistema de tração integral. Nesta geração, o SUV pode ter de 50% a 100% de tração no eixo traseiro, diferente do anterior que ativava a traseira apenas quando a dianteira patinava. É uma mudança de comportamento que nos leva a desacreditar que um "SUVzinho" faz o que ele faz com tanta facilidade.

Teste: Audi RS Q3 Sportback
Sistema de tração quattro joga até 100% da força no eixo traseiro

Em nossos testes, o RS Q3 Sportback cravou aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 4,9 segundos. Um número de respeito, mas é uma sensação ainda melhor ao volante quando ele, no controle de largada, sai destracionando a traseira para, em fração de segundo, permitir a dianteira também cravar os largos pneus 255/35 R21 no asfalto. Apesar de seu porte, impõe respeito. 

A dinâmica sim é algo que tira um belo sorriso do rosto. Com o clássico seletor de modos de condução (Efficiency, Comfort, auto e Dynamic), ele pode ser um SUV que faz 8,5 km/l na cidade e 12,6 km/l na estrada com uma certa dose de conforto ou um esportivo com o comportamento digno de um hatchback. Pela primeira vez, no volante temos uma tecla "RS Mode", que ativa 2 modos selecionáveis que, no meu caso, um dele era a função mais esportiva do RS Q3 em direção, suspensão, motor, transmissão e até mesmo ronco, já que agora ele traz o escapamento esportivo da linha RS para o Brasil pela primeira vez. 

Teste: Audi RS Q3 Sportback

Com o modo RS ativo, o RS Q3 Sportback coloca ainda mais respeito com a sinfonia do 5 cilindros saindo pelo escape duplo - um dos mais belos roncos entre os esportivos, ao menos na minha opinião. Lembra da tração jogando 100% na traseira? Entro em uma curva fechada com o pé cravado e o RS Q3 me responde apontando a dianteira para dentro e me ajudando a contornar, apesar de uma leve saída de frente facilmente controlável. Uma dinâmica que faz inveja ao antigo RS Q3. 

Sigo na brincadeira com o RS Q3 e aponto em outra curva, com a mesma resposta. A direção é direta e bem rápida e conversa comigo a todo momento e é sincera sobre o que acontece ali. Marcha seguida de marcha, com o clássico "tiro" pelo escapamento nas trocas, e sempre com uma vitalidade justamente pela oferta de torque e potência se cruzando no gráfico de rotação. Parece que ele quer sempre mais, mas a velocidade já era alta demais. Sem sustos, já que os freios são extremamente responsivos e não dão sinais de fadiga - e cravando 35,9 metros de 100 a 0 km/h. As pinças dianteiras são de 6 pistões com discos de 375 mm perfurados e frisados. 

Teste: Audi RS Q3 Sportback
Apesar de ser um esportivo, o RS Q3 Sportback vem cheio de tecnologias

Mas há tempos que não precisamos nos sacrificar para ter esportivos. O RS Q3 Sportback, com a ajuda da eletrônica e da engenharia, é totalmente usável no dia a dia. A não ser pela suspensão mais firme e pneus de perfil baixo, ele se comporta quase como um Q3 normal. Entre os equipamentos, destaque para o piloto automático adaptativo, sistema de som Bang&Olufsen, ar-condicionado de 2 zonas (com saída para o banco traseiro), alerta de saída de faixas, sistema de estacionamento automático e outros. Em conectividade, espelhamento (Apple CarPlay e Android Auto) sem fio e carregador por indução. 

E como a carroceria de cupê prejudica o espaço traseiro? Para as pernas, é o mesmo do Q3, mas os mais altos já ficarão com a cabeça bem mais perto do teto, principalmente com 1,80 m pra cima. No porta-malas (com abertura elétrica), os mesmos 530 litros do Q3 em sua carroceria tradicional. Totalmente plausível conviver com ele no dia a dia, sinceramente, e ainda com o direito a aquela acelerada pra apagar os problemas. 

Teste: Audi RS Q3 Sportback

Qual o preço disso tudo? R$539.990, mas pelo menos o RS Q3 Sportback não tem aquela vastidão de opcionais que vemos normalmente nos Audi. Se fosse para escolher um RS Q3, com certeza seria nessa forma mais esportiva da carroceria, que combina bem mais com a proposta. E finalmente eu e ele nos entendemos muito bem, apagando totalmente a má impressão da geração anterior. 

Fotos: Leo Fortunatti (Motor1.com) e divulgação Audi

Audi RS Q3 Sportback

MOTOR dianteiro, transversal, 5 cilindros, 20 válvulas, 2.480 cm3, duplo comando com variador no escape (com variador de tempo) e admissão, injeção direta e indireta, turbo, gasolina
POTÊNCIA/TORQUE

400 cv de 5.850 a 7.000 rpm; Torque: 48,9 kgfm de 1.950 a 5.850 rpm

TRANSMISSÃO automatizada de dupla embreagem (S-Tronic) com 7 marchas; tração integral
SUSPENSÃO McPherson na dianteira e multilink na traseira
RODAS E PNEUS liga leve aro 21" com pneus 255/35 R21
FREIOS discos ventilados e perfurados na dianteira e discos ventilados na traseira, com ABS e ESP
PESO 1.790 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.507 mm, largura 1.851 mm, altura 1.557 mm, entre-eixos 2.681 mm;
CAPACIDADES tanque 60 litros; porta-malas 530 litros
PREÇO R$ 539.990
MEDIÇÕES MOTOR1 BR (gasolina)
    Audi RS Q3 2.5T
  Aceleração  
  0 a 60 km/h

2,5 s

  0 a 80 km/h 3,5 s
  0 a 100 km/h 4,9 s
  Retomada  
  40 a 100 km/h em S 4,2 s
  80 a 120 km/h em S 3,5 s
  Frenagem  
  100 km/h a 0 35,9 m
  80 km/h a 0 22,8 m
  60 km/h a 0 12,8 m
  Consumo   
  Ciclo cidade 8,5 km/l 
  Ciclo estrada 12,6 km/l

Ouça o podcast do Motor1.com:

 

Siga o Motor1.com Brasil no Facebook

Siga o Motor1.com Brasil no Instagram

Envie seu flagra! flagra@motor1.com