Transmissão será substituída por uma caixa CVT a partir de 2021

É o fim de uma era. A transmissão automatizada de embreagem simples enfim deixa de ser oferecida no Brasil, com o fim do Fiat Cronos 1.3 GSR, o único carro que ainda usava esta tecnologia. A versão desapareceu do site da marca, antecipando a mudança que acontecerá no ano que vem, quando o sedã ganhará o câmbio CVT para o motor 1.3. Era vendido por R$ 66.690.

O Fiat Cronos 1.3 GSR era o último carro da marca italiana a usar a transmissão automatizada feita pela Magneti Marelli (na época, ainda parte do grupo Fiat-Chrysler). Nasceu como o câmbio Dualogic, estreando em 2008 no Stilo antes de ser levado para outros carros da marca: Linea, Palio, Strada, Palio Weekend, Idea, Bravo, Punto e, por fim, o subcompacto 500.

Galeria: Fiat Cronos Drive GSR

O sistema foi desenvolvido com o princípio de usar um robô para cuidar do acionamento da embreagem e troca de marchas. Desta forma, o motorista não teria que se preocupar com esta etapa na condução e falhas humanas seriam evitadas, como arranhadas ou soltar o pedal rápido demais.

Na prática, não foi isso que vimos, já que o câmbio automatizado era lento nas trocas, patinava e dava tranco – não conseguiam nem andar ao só tirar o pé do freio, exigindo um toque no acelerador. O problema não ficava no conforto e desempenho, pois a transmissão logo começava a apresentar defeitos como vazamento de óleo do sistema hidráulico ou queima da bomba de pressão do óleo. Os discos da embreagem também sofriam muito, com um desgaste prematuro das peças.

Apesar dos problemas, as fabricantes levaram um tempo para abandonar esta tecnologia. A Fiat atualizou o Dualogic em 2012, rebatizando para Dualogic Plus, adotado primeiro pelo Bravo. Recebeu a função “creeping”, fazendo o carro andar sozinho ao soltar o freio (como num carro automático comum) e recebendo outras alterações para reduzir os trancos.

A última atualização desta caixa foi em 2017, quando trocou de nome para Gear Smart Ride (GSR), lançado no Mobi com motor 1.0 Firefly e pouco depois aparecendo no Fiat Argo 1.3 e, em seguida no Cronos 1.3. Porém, a Fiat era a única fabricante a ainda investir nesta tecnologia, enquanto a Chevrolet já tinha tirado de linha o Easytronic, a Volkswagen estava iniciando o fim da oferta do I-Motion e a Renault já preparava a troca do Easy’R por uma caixa CVT.

A Fiat-Chrysler só começou a decretar o fim da transmissão após a separação da fabricante e a Magneti Marelli em 2018. Argo e Mobi perderam as versões GSR logo no início do ano, deixando o Cronos como o único a oferecer o câmbio automatizado, em uma tentativa de atender às demandas dos clientes dos sedãs, que preferem as opções sem pedal de embreagem.

Até o ano que vem, os clientes da Fiat que quiserem o Cronos automático terão que investir na versão 1.8 Drive AT, por R$ 73.990 - uma diferença de R$ 7.300 em relação ao preço praticado pelo Cronos 1.3 Drive GSR. Em 2021, a marca iniciará a adoção de uma transmissão CVT para o motor 1.3 em Argo, Cronos, Strada e no futuro crossover compacto.