Falta de peças e quarentena impediu fabricante de montar estoque da picape para o lançamento, antes marcado para abril

Um dos principais lançamentos deste ano acabou adiado. A Fiat-Chrysler iniciou esta semana a diminuição gradual da produção de todas as fábricas no Brasil com paralisação total prevista para ocorrer até 27 de março como medida preventiva contra o coronavírus. A expectativa é que as atividades sejam retomadas em 21 de abril. Esta decisão afeta diretamente o lançamento da nova Fiat Strada 2021, que deveria acontecer em abril e agora não tem uma data marcada, pela falta de estoque das peças necessárias para a montagem e, consequentemente, falta da picape pronta nas concessionárias.

Após a Fiat-Chrysler mandar o comunicado de paralisação de todas as suas operações no Brasil até 21 de abril, tanto da fábrica quanto dos escritórios, Motor1.com conversou com algumas fontes dentro da empresa sobre o que aconteceria com o lançamento da nova Fiat Strada 2021. Todas deram a mesma confirmação: a picape não será mostrada agora, nem pela internet, deixando a apresentação para outro momento.

Galeria: Fiat Strada 2021

“As ações foram todas adiadas. Nesse momento, não teríamos nem carros produzidos em quantidade suficiente para abastecer a rede”, revela uma das fontes. Outra pessoa questionada pela reportagem revela que já estava difícil receber peças dos fornecedores, principalmente os de fora do país. É uma situação diferente do que aconteceu com o novo Chevrolet Tracker, que já tinha um estoque nas concessionárias e, por isso, pode ser apresentado online e ter suas vendas iniciadas.

Ninguém quis cravar uma data para a estreia da nova Strada. O período entre o final de maio e começo de junho chegou a ser cogitado, o que daria pouco mais de 30 dias de distância desde a volta da produção no dia 21 de abril. Porém, isso depende de uma série de fatores, como o fim da quarentena no Brasil e a retomada dos fornecedores para entrega das peças necessárias.

Revelada em duas imagens oficiais, a nova Fiat Strada 2021 será vendida com motores 1.4 Fire de 88 cv e 1.3 Firefly de 109 cv, ambos somente com a transmissão manual de 5 marchas. A picape mais vendida do país adotará uma nova versão, com cabine dupla e quatro portas, ao invés da cabine estendida de 3 portas do modelo atual. Falando nela, a geração que está nas lojas neste momento seguirá viva em versão única, voltada para vendas diretas. Preços devem ficar entre R$ 55 mil e R$ 75 mil.