Novo propulsor de 3 cilindros passa a equipar versões de entrada do SUV na Europa

Enquanto no Brasil a Renault prepara o lançamento da nova geração do Duster com motor 1.6 SCe, na Europa a Dacia anuncia justamente o fim da oferta deste propulsor no catálogo do SUV. De acordo com a marca, a partir de agora todas as versões de entrada do utilitário trocarão o motor 1.6 4-cilindros aspirado de 115 cv pelo novo 1.0 3-cilindros turbo de 100 cv da família TCe. Este nov conjunto já é usado pelas novas gerações dos compactos Renault Clio e Nissan March e substitui o 0.9 TCe amplamente usado pelo grupo Renault-Nissan. Entrega ainda 16,3 kgfm de torque e trabalha sempre associado a um câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira e sistema start/stop.

Galeria: Dacia Duster 2018

Segundo a Dacia, a mudança foi necessária para atender às novas regras anti-poluição da Europa. Na comparação com o antigo 1.6, a expectativa é reduzir o nível de emissões de CO2 de 149 gramas/km para 125 gramas/km. O consumo médio fica na casa dos 16,3 km/l, de acordo com dados de fábrica.

A previsão da marca é que o novo 1.0 TCe passe a ser um dos mais procurados da linha Duster, tendo em vista que equipará principalmente as versões mais baratas (justamente a faixa de mercado onde o SUV é mais forte). Em relação ao 1.6, os preços subiram em média 500 euros, dependendo do mercado. Na França, por exemplo, a tabela começa em 12.490 euros, cerca de R$ 52.700 numa conversão direta.

No Brasil, onde o Duster é vendido sob a bandeira da Renault, esta nova geração será lançada no início de 2020. Inicialmente, apenas o motor 1.6 SCe será oferecido. Já em 2021, as versões mais caras passarão a contar com o novo 1.3 TCe de 170 cv. Entretanto, o estreante 1.0 TCe ainda não tem previsão de chegada por aqui.

Fonte: Dacia