Teste Instrumentado Range Rover Velar R Dynamic P380 - Emoção sobre razão

Fórmulas de sucesso tendem a ser aproveitadas diversas vezes - e não somente pelo inventor delas. Tome como exemplo o Evoque, modelo que mudou a história da Land Rover. Arrojado, ele deu início a uma nova linguagem de design para a marca e inspirou uma série de concorrentes, sem falar numa descarada cópia chinesa. Depois do Evoque, a Land já replicou sua filosofia de design em praticamente toda a gama, incluindo até mesmo o aristocrático Range Rover Vogue. Agora que a moda aponta para os SUVs-cupês, eis que surge o Velar - uma versão digamos, maior e mais refinada do Evoque. 

Range Rover Velar R-Dynamic P380

O Velar aproveita um codenome usado em 1967 para o primeiro protótipo do Range Rover, mas na verdade sua base vem da marca irmã Jaguar. Motor, transmissão e suspensão são os mesmos do F-Pace. O novo Land Rover nasce com o propósito de ser uma opção entre o Evoque e o Range Rover Sport, que por sua vez é uma versão mais esportiva do Range Rover Vogue. Então o Velar seria uma opção mais esportiva ao Range Rover Sport? Confuso, mas é isso mesmo. 

Como cartão de visitas, a silhueta invocada do Velar deixa clara sua intenção: conquistar pelo design. Chama a atenção pelo teto rebaixado em conjunto com as gigantescas rodas aro 21" pintadas de preto. Faróis, grade e lanternas lembram os demais Range Rover, mas a traseira é inédita, mais arredondada e baixa. Tem o perfil que lembra uma lancha de luxo. Por dentro, segue a atual tendência de telas pra todo lado. Se somar as TVs e os celulares lá de casa não chega ...