Nascida há 10 anos com a versão 250, a "Ninjinha" está mais forte e divertida do que nunca

Dez anos atrás, a Kawasaki fazia história ao lançar a primeira esportiva de muitos jovens pilotos: a Ninja 250R, que trazia o estilo e a esportividade das Ninja maiores a um patamar mais acessível - de grana e de pilotagem. Daí vieram as concorrentes e a marca japonesa se viu na obrigação de deixar a "Ninjinha" mais forte, com a estreia da Ninja 300. Agora chegou a vez de subir o sarrafo novamente. E a aposta da Kawasaki vem na forma da Ninja 400, uma moto totalmente nova, do chassi ao motor. Apresentada no Salão Duas Rodas do ano passado, começará a ser vendida a partir de meados de setembro, com preço inicial de R$ 23.990 já com freios ABS. Veja como ela anda. 

Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)

O que é?

A Kawasaki diz ter partido de uma folha em banco para desenvolver a Ninja 400. Ou seja, ela não é apenas uma 300 com motor crescido. Para começar, o novo chassi de treliça de aço foi inspirado na supersportiva Ninja H2, com distância entre-eixos mais curta (de 1.405 mm para 1.370 mm) e braço oscilante mais longo, além de um ângulo de cáster maior. Assim, a moto ganha agilidade nas mudanças de direção, mais conforto e maior capacidade de inclinação, nesta ordem. Outra novidade é que o motor tornou-se parte da estrutura do chassi, para aumentar a rigidez do conjunto e reduzir o peso. 

Redução de peso, aliás, foi uma das premissas do projeto. Por isso, além do próprio chassi, a Ninja 400 também fez regime no motor e em outros componentes, incluindo até um disco de embreagem menor (de 139 mm para 125 mm) e com a manete 20% mais leve. O resultado foi uma moto 4 kg mais leve que a Ninja 300, com apenas 168 kg.

Falando especificamente do motor, trata-se de um bicilíndrico paralelo com 399 cc e refrigeração líquida. Ele tem uma caixa de ar maior (5,8 litros contra 4,7 litros da 300) e com funis de alturas diferentes, para respostas mais lineares do motor. Além disso, esse novo desenho melhorou a eficiência na admissão (com caminho mais curto e direto para a entrada de ar no cilindro), garantindo uma nota de admissão mais instigante aos ouvidos do piloto. Ao mesmo tempo, uma válvula do corpo de borboleta maior (32 mm) ajuda a aumentar o fluxo ar, para melhor desempenho em altas rotações. Já a injeção teve os bicos posicionados mais próximos dos dutos de admissão para borrifarem combustível quase que diretamente na câmara de combustão (meio caminho para uma injeção direta), de modo a aumentar a eficiência da queima. 

Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)
Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)

A Ninja 400 entrega potência de 48 cv e torque de 3,9 kgfm, acréscimos de 9 cv e 1,1 kgfm, respectivamente, em relação à antiga 300. O câmbio manteve as 6 marchas, mas com relações mais próximas entre si. As suspensões dianteiras receberam bengalas mais robustas (de 41 mm contra 37 mm), enquanto o freio a disco dianteiro agora tem 310 mm e o pneu traseiro ficou 10 mm mais largo (150 mm). Os freios ABS são de série - aliás, a Kawasaki disse que a partir da linha 2019 não venderá mais versões sem ABS de suas motos de rua.  

Com design inspirado na H2, a nova 400 mantém o estilo agressivo característico da família Ninja, trazendo carenagens vincadas e faróis duplos na dianteira com lâmpadas de LED (bem mais eficientes na iluminação). Na traseira, a lanterna também em LED tem novo formato, maior e mais vistosa que a da 300. Por fim, o painel de instrumentos veio da Ninja 650, com conta-giros analógico em destaque e duas telas digitais com informações do computador de bordo e indicador de marcha, entre outros recursos.

Como anda?

Nosso primeiro contato com a Ninja 400 se deu na pista do Haras Tuiuti, interior de São Paulo, um circuito estreito e com curvas fechadas - um tanto limitado para motos maiores, mas suficiente para modelos de baixa e média cilindrada. Logo de cara se destaca a leveza do conjunto entre as pernas e a boa posição de pilotagem da nova Kawa, sem exigir que as costas fiquem muito arqueadas. Os comandos dos punhos são semelhantes aos da 300, mas o novo painel garante uma imagem mais sofisticada à nova moto. Uma vez em ação, o motor tem ronco semelhante ao da antecessora, embora um pouco mais grave. 
Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)
A embreagem de fato ficou levinha de acionar e o câmbio não dá trabalho nas mudanças (mais suave que o das Kawa 650). Ajudado pelas marchas curtas, o motor bicilíndrico sobe fácil de rotação e logo belisca a faixa vermelha do conta-giros (que começa em 12 mil rpm), proporcionando saídas rápidas e ganho de velocidade linear. Como a 400 tem maior torque em todas as faixas de rotação, suas respostas são mais contundentes mesmo em 5a ou 6a marcha. A 300 tinha um comportamento distinto entre baixas e altas rotações, começando devagar e depois ganhando um impulso extra. Na 400 essa sensação acabou, e agora a aceleração acontece uniformemente. De acordo com a Kawasaki, o tempo de 0 a 100 km/h fica em torno de 7 segundos. 
 
Com mais motor para explorar nas curtas retas do traçado, dava para passar dos três dígitos no velocímetro sem esforço. Muito leve de manejar, a Ninja 400 revela uma pilotagem ainda mais natural que a 300. Era muito fácil (e rápido) mudar de direção numa curva em subida à direita seguida de outra curva em descida à esquerda. Já a suspensão firme garante boa estabilidade e uma cópia fiel das condições do piso, dando confiança ao piloto. Os garfos dianteiros, porém, poderiam ser invertidos, como na BMW G310R e na KTM 390 Duke - e também não oferecem nenhum tipo de regulagem. Na traseira monoamortecida, a mola tem 5 ajustes de pré-carga e o pneu ficou mais largo, para transmitir melhor a potência para o chão e aumentar a aderência nas curvas. 
Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)
Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)
Fácil de pilotar (e se empolgar), a Ninja 400 manteve um recurso bacana da 300: a embreagem deslizante, que evita o travamento da roda traseira em reduções bruscas - como a que fizemos diversas vezes para 2a marcha nas curvinhas travadas da pista. Com maior velocidade acumulada nas retas devido à potência extra, outro recurso bem-vindo foi o freio dianteiro de maior diâmetro (310 mm), que proporciona uma alicatada decidida. O que faltou avaliar foi o comportamento da moto na estrada, pois me pareceu que a relação curta vai deixar o motor um tanto "acelerado" em velocidades de viagem. É algo que vamos conferir num futuro teste completo, bem como as médias de consumo. 

Quanto custa?

Quando a Ninja 250R fez sucesso, a Honda tentou responder com a CBR 250R importada, mas não deu muito certo. Já a Ninja 300 não teve vida tão fácil e logo ganhou uma rival de respeito, que inclusive a superou em diversos comparativos - a Yamaha R3. Mesmo antes de juntar as duas, podemos afirmar que a Ninja 400 não deve ter dificuldades para recuperar a coroa entre as pequenas esportivas no quesito desempenho. 
Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)
Boa notícia é que a Kawasaki não salgou muito a conta na nova Ninja. Tabelada a R$ 23.990, a diferença de preço em relação à 300 com ABS ficou em R$ 1 mil - valor compatível com as melhorias trazidas pela 400 e ainda na briga com a Yamaha R3, que custa R$ 23.290. A Ninja 400 estará disponível nas cores preta e verde, ou então numa verde com grafismo exclusivo KRC por R$ 24.900 - grana demais somente pelo visual diferente. 
 
Em termos de pós-venda, uma novidade esperada pelos fãs da marca: a Kawasaki agora vai oferecer 2 anos de garantia com as duas primeiras revisões gratuitas - até então era apenas 1 ano de cobertura. E isso vai valer para todos os modelos da linha 2019. 
 
Fotos: Gustavo Epifânio/Kawasaki

Kawasaki Ninja 400

MOTOR 2 cilindros em linha, 8 válvulas, 399 cc, duplo comando, gasolina
POTÊNCIA/TORQUE 48 cv a 10.000 rpm / 3,9 kgfm a 8.000 rpm
TRANSMISSÃO 6 marchas; transmissão por corrente
SUSPENSÃO Bengalas convencionais (41 mm) na dianteira (120 mm de curso) e amortecedor único na traseira com 5 ajustes de pré-carga da mola (130 mm de curso)
RODAS E PNEUS Aro 17" na dianteira com pneu 110/70 R17  e aro 17" na traseira com pneu 150/60 R17
FREIOS Disco semi-flutuante de 310 mm na dianteira e disco de 220 mm na traseira, com ABS
PESO 168 kg (ordem de marcha)
DIMENSÕES E CAPACIDADES Comprimento 1.990 mm, largura 710 mm, altura 1.120 mm, altura do assento 785 mm, entre-eixos 1.370 mm; tanque 14 litros
QUADRO Treliça de aço
PREÇO R$ 23.990 (cores: verde ou preta); R$ 24.990 (KRC)

 

Gallery: Kawasaki Ninja 400 (Avaliação BR)