Será que a versão 1.8 justifica, em desempenho e equipamentos, a diferença de preço para a 1.3?

Velhos hábitos e crenças são difíceis de serem eliminados. Muita gente ainda considera, por exemplo, a cilindrada do motor um fator importante na hora de escolher um carro. No caso Fiat Cronos, sedã baseado no Argo que chegou às lojas há pouco tempo, essa preocupação surge pela versão de entrada ser equipada com o motor 1.3 de 109 cv, enquanto os modelos acima usam um 1.8 de 139 cv. Mas será que a vantagem teórica do modelo mais potente é tão evidente assim na prática?

Leia também:

Para responder, testamos desta vez o Cronos 1.8 Precision com câmbio manual de 5 marchas. Ele dá um salto considerável em valor, passando dos R$ 55.990 da versão Drive 1.3 para R$ 62.990. Em troca, além do motor maior, recebe equipamentos como controle de estabilidade, sistema start-stop, faróis de neblina e rodas de liga aro 16".

Fiat Cronos 1.8 MT

E não é só. Além dos itens já citados, o Cronos Precision também adiciona alarme antifurto, banco traseiro rebatível, retrovisores com ajuste elétrico, sensor de estacionamento traseiro, vidros elétricos nas quatro portas com função "um toque" e volante com ajuste de altura. Já a central multimídia com tela de 7” é a mesma do Drive, com a nova geração do sistema Uconnect, que traz conexão Apple CarPlay e Android Auto. Na maior parte do tempo, ela mostra funcionamento rápido e intuitivo, além de ter boa resolução. Porém, o sistema travou algumas vezes comigo e em uma delas só resolveu quando deixei desligado por alguns minutos. O computador de bordo padrão é igual ao utilizado em outros modelos da Fiat-Chrysler, como Toro e Renegade, com todas as funções que podemos esperar de um equipamento como este. Pagando um pouco mais, é possível trocar o visor de LCD por uma tela em TFT maior, de 7” e colorida, com as mesmas funções.

Fiat Cronos Precision MT
Fiat Cronos Precision MT

Em termos visuais, o Cronos representa uma evolução do Argo. O novo desenho do para-choque é mais harmonioso e dialoga melhor com a grade frontal, também exclusiva do sedã. A traseira cresceu e traz lanternas com ângulos retos no lugar das linhas arredondadas usadas pelo hatch. Ambos têm a mesma medida de entre-eixos, de 2,521 m, assim como largura (1,726 m) e altura (1,516 m). Porém, o Cronos mede 4,364 m de comprimento, ou 36 cm a mais adicionados ao balanço traseiro.

A qualidade de construção do Cronos segue o padrão do Argo, um dos melhores carros da Fiat nos últimos anos neste quesito. Os gaps entre as peças são justos e os materiais usados têm boas texturas, apesar de usar plástico rígido. Já os porta-objetos são muito baixos e rasos, tornando um problema para colocar o smartphone enquanto ele estiver trabalhando com a central multimídia usando Apple CarPlay ou Android Auto. Falta espaço. Além disso, posiciona mal as entradas USB e 12V, com uma delas quase que escondida ao lado da base do câmbio.

Fiat Cronos 1.8 MT

Para quem gosta de carros mais firmes, o Cronos não decepciona. Tem ajuste de suspensão mais firme, em especial quando equipado com as rodas opcionais de 17”, como o carro avaliado. O lado bom é que o sedã não inclina muito a carroceria nas curvas ou em frenagens bruscas. Só que fica um pouco desconfortável em ruas acidentadas. Em relação ao Argo, recebeu recalibração dos amortecedores, molas, barra estabilizadora dianteira e eixo traseiro. No fim, acaba tendo comportamento semelhante ao hatch na versão HGT, mais esportiva, também com rodas aro 17" opcionais.

 

O maior problema do Cronos Precision está no motor 1.8, além de usar o velho câmbio manual de 5 marchas da Fiat, conhecido por seus engates de curso longo e alavanca molenga. As credenciais do E-TorQ são boas no papel: 139 cv de potência a 5.750 rpm e 19,3 kgfm de torque a 3.750 rpm. Para render bem, porém, precisa trabalhar com o giro alto, o que joga o consumo lá em cima. Se dirigir de forma econômica, o sedã fica bem sonso e não empolga.

Fiat Cronos 1.8 MT
Comparativo Fiat Cronos x Chevrolet Prisma

A prova disso veio em nosso teste. Na aceleração de 0 a 100 km/h, o Cronos 1.8 marcou 11,1 segundos, somente 1 segundo a menos do que a versão 1.3 - que, não custa lembrar, usa um motor mais moderno da nova família Firefly. Esta diferença pequena também se repete na retomada. Para ir de 40 a 100 km/h em 3ª marcha, precisou de 10,1 segundos, ou 0,8 s a menos do que o modelo mais barato. Foi melhor nas frenagens (fazendo valer os pneus mais largos), precisando de 38,6 metros para parar quando vindo a 100 km/h, enquanto o 1.3 percorreu 43,7 m na mesma prova. 

Para deixar o Cronos 1.8 um pouco mais econômico na cidade, a Fiat equipou o carro com start-stop. No caso do modelo manual, ele desliga o motor ao paramos e engatarmos ponto morto. Basta pisar de novo no pedal da embreagem que o motor é religado. Registrou 7,8 km/l na cidade e 10,6 km/l na estrada, quando abastecido com etanol. O modelo 1.3 marcou 8,9 km/l e 12 km/l, respectivamente.

À primeira vista, pagar R$ 7 mil a mais para trocar o motor e deixar o Cronos mais equipado parece bom negócio. E também há a possibilidade de colocar airbags laterais (por R$ 2.600) e o kit Tech, que adiciona ar-condicionado digital, painel de instrumentos com tela TFT de 7”, sensor de chuva, sensor crepuscular, retrovisor eletrocrômico, espelhos laterais com rebatimento elétrico e partida por botão, por mais R$ 3.990.

Comparativo Fiat Cronos x VW Virtus x Honda City

Só que, na ponta do lápis, o Cronos 1.8 começa a fazer menos sentido. Este mesmo valor pode ser usado para colocar todos os opcionais no Cronos 1.3, o que custaria R$ 7.230 e reduziria a diferença nos equipamentos. Se for para ficar com o 1.8, vale pensar em levar o modelo automático. Seu desempenho é pior, já que o câmbio tem uma calibração voltada para manter o consumo em níveis aceitáveis, mas vale pelo conforto e custa R$ 69.990, uma diferença de R$ 7.000.

No fim, fica difícil justificar a compra do Cronos 1.8 Precision com câmbio manual. O 1.3 tem desempenho próximo, é bem mais econômico e custa menos, embora fique devendo o controle de estabilidade. O ideal seria que o 1.8 desse lugar ao 1.3 Firefly turbo, motor já apresentado na Europa, mas que só deverá chegar por aqui em 2020. 

Fotos: Daniel Messeder e divulgação

Ficha Técnica - Fiat Cronos 1.8 Precision

MOTOR dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16 válvulas, 1.747 cm³, comando simples variável, flex
POTÊNCIA/TORQUE

135/139 cv a 5.750 rpm / 18,8/19,3 kgfm a 3.750 rpm

TRANSMISSÃO câmbio manual de 5 marchas; tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS liga leve de 17" com pneus 205/45 R17
FREIOS discos ventilados na dianteira e tambor na traseira com ABS e ESP
PESO 1.248 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.364 mm, largura 1.726 mm, altura 1.516 mm, entre-eixos 2.521 mm
CAPACIDADES tanque 48 litros; porta-malas 525 litros
PREÇO  R$ 62.990 (R$ 72.830 como testado)
MEDIÇÕES MOTOR1 BR
  Fiat Cronos 1.8 MT
Aceleração  
0 a 60 km/h 4,9 s
0 a 80 km/h 7,3 s
0 a 100 km/h 11,1 s
Retomada  
40 a 100 km/h em 3ª 10,1 s
80 a 120 km/h em 4ª 11,0 s
Frenagem  
100 km/h a 0 38,6 m
80 km/h a 0 23,8 m
60 km/h a 0 13,3 m
Consumo  
Ciclo cidade 7,8 km/l 
Ciclo estrada 10,6 km/l

Fotos: Divulgação e Daniel Messeder/Motor1.com

Galeria: Fiat Cronos Precision MT