Ele chega no segundo semestre para mudar os rumos da marca no Brasil

Lançado em 2014, o Citroën C4 Cactus foi um SUV explosivo no cenário automotivo e se destacou pela presença de Airbumps, as peças plásticas projetadas para proteger a carroceria de batidas do dia a dia, especialmente nas áreas urbanas. Infelizmente, essa aposta ousada não seduziu seus clientes, pois apenas 270 mil exemplares foram vendidos na Europa em quatro anos de carreira.

Hoje, apesar da tendência SUV estar mais forte do que nunca, a Citroën está retrocedendo e muda o posicionamento de seu C4 Cactus, com uma reestilização profunda de meia vida, que vem ao mesmo tempo o lançamento do C3 Aircross e o fim do C4, que será renovado em 2021. Para a marca, o objetivo é, portanto, não canibalizar as vendas do primeiro, garantir o nome do segundo. 

Desenho menos indutivo 

Para torná-lo mais "hatch" e menos "SUV", o C4 Cactus foi radicalmente transformado e abandona quase todos os seus Airbumps. Na verdade, encontramos mais na parte inferior das portas e observamos também o desaparecimento das barras de teto. O conjunto parece muito mais sábio, com um design que é uma reminiscência dos mais recentes C3 e C3 Aircross.

Na frente, o carro é adornado com cromo em torno da grade, e o logo da Citroën agora se estende para as luzes diurnas, mantendo a assinatura de iluminação em dois estágios da primeira versão. Na parte traseira, os Airbumps cedem lugar a uma peça mais verdadeira, com duas novas luzes horizontais em duas partes, que têm o efeito de se expandir e se destacar visualmente.

A personalização do novo C4 Cactus oferece até 31 combinações possíveis graças a 9 cores de carroceria e 4 "Color Packs" que adicionam toques coloridos para as luzes de neblina e entradas de ar laterais.

Citroën C4 Cactus 2018

Mais tecnologia e conforto 

A bordo, as evoluções são mais sutis. Encontramos os detalhes deste C4 Cactus, como as alças de porta de couro em forma de alças de mala e no porta-luvas no painel. O interior é banhado pela luz graças ao generoso teto de vidro, disponível como opcional, e o estilo do conjunto foi tratado de forma visível, mas, infelizmente, ainda encontramos pouco capricho no plástico e especialmente na guarnição da porta.

Os bancos da frente foram substituídos por dois grandes assentos opcionais "Advanced Comfort", mais acolhedores, grandes e macios, bem como um console central mais tradicional no freio de mão, um apoio de braços com armazenamento integrado, sem mencionar a manopla do câmbio manual ou automático. Na parte traseira, os passageiros estarão confortavelmente instalados, mas terão de estar satisfeitos com duas janelas traseiras, já que os vidros não abaixam. 

Em tecnologia a bordo, a tela sensível ao toque de 7 polegadas no centro do painel evolui e hospeda o mais recente sistema de entretenimento Os assistentes de condução é reforçada por frenagem automática de emergência, leitura de placas, aviso de saída de faixa não intencional e monitoramento de ponto cego.

Citroën C4 Cactus 2018

Conforto é a palavra chave

Durante o nosso teste, usamos um Cactus C4 equipado com um motor a gasolina PureTech 1.2 de 130 cv. Outras variações deste bloco de três cilindros também estão disponíveis na faixa, desenvolvendo 82 cv de potência e 110 cv de potência. Se preferir diesel, a Citroën também oferece o motor 1.5 BlueHDi de quatro cilindros e 100 cv de potência. Todos os motores estão equipados com uma caixa manual (cinco ou seis marchas dependendo da versão), bem como uma caixa automática de seis velocidades opcional na versão PureTech 110.

Na estrada, o C4 Cactus reestilizado inaugura novos amortecedores com duas câmaras hidráulicas progressivas (uma de descompressão e uma de compressão), o que promete uma melhor qualidade de filtragem, a fim de absorver melhor as deformações da estrada, evitando os saltos durante movimentos maiores. Na prática, o conforto está no encontro das várias irregularidades da estrada, mas este famoso "efeito de tapete voador" prometido pela Citroën também tem suas desvantagens, uma vez que os movimentos de carroceria são maiores, em particular durante a frenagem ou em condução dinâmica. Felizmente, o carro é saudável e o manuseio está bom, mas esse comportamento nos encoraja a adotar uma condução mais flexível, de acordo com a filosofia da marca.

O isolamento acústico também contribui para o conforto geral do carro, além de uma direção muito leve a baixa velocidade, juntamente com um bom raio de contorno para fácil manobra em áreas urbanas, enquanto endurece com o aumento de velocidade, em benefício da condução, é claro. O motor de três cilindros e 130 cv de potência, 23,4 kgfm, combinado com o peso de 1045 kg do carro, permite aceleração rápida e desempenho correto: o 0 a 100 km/h é feito em 9,1 segundos, enquanto os engates do câmbio manual são flexíveis e precisos, apesar de um pedal de embreagem um tanto torto. Para ainda mais conforto, a Citroën oferece a possibilidade de optar por uma transmissão automática, apenas disponível na versão de 110 cv.

Citroën C4 Cactus 2018

Conclusão

Com esta reetilização, o Citroën C4 Cactus é completamente novo (mais de 90% das partes da carroceria são novas) adotando um olhar mais conservados e menos chamativo que o primeiro, com um posicionamento fortemente focado no conforto. Uma vantagem que não deixará de seduzir os aficionados da marca, com o famoso "efeito do tapete voador".

Se os preçossão bastante acessíveis no nível de entrada, com um preço de entrada de 16.950 euros para um Citroën C4 Cactus Live 1.2 PureTech 82 manual, você terá que colocar sua mão na carteira para adquirir uma versão melhor equipada. Como o nosso modelo testado, um Citroën C4 Cactus Shine 1.2 PureTech 130 manual de 6 marchas, está disponível a partir de 23.450 euros (excluindo opcionais).

Em consumo, a Citroën anuncia um valor misto de 26,8 km/l com emissão de 110 g/km de CO2. Na prática, encontramos uma média de cerca de 15,4 km/l, números que ficam razoáveis para um motor a gasolina de três cilindros desta potência.

Em testes no Brasil, o C4 Cactus deve ser apresentado ainda neste ano, com uma possível estreia no Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro. O motor 1.2 PureTech deve ficar de fora, adotando o 1.6 nas versões aspirada e turbo usados por seu primo, o Peugeot 2008.

Fotos: Tran HA / Motor1.com

Citroën C4 Cactus 2018

 

 

Citroën C4 Cactus Shine - 1.2 PureTech 130 BVM6

Motor Essence Turbo PureTech, 3 cilindros em linha, 1199 cm³, 12 válvulas, injeção direta
Potência 130 cv / 23,4 kgfm
Transmissão Manual de 6 marchas
Tipo de direção Tração dianteira
0 a 100 km/h 9,1 segundos
Velocidade máxima 207 km/h
Peso 1045 kg
Volume do porta-malas 348 litros / 1170 litros
Número de assentos 5
Consumo de combustível Cidade : 16,4 km/l / Estrada : 24,3 km/l / Combinado : 26,8 km/l
Preço de entrada 16'950 €
Preço como testado 23'450 €

Citroën C4 Cactus 2018

Foto de: Tran Ha