Nos anos 1920, o engenheiro José Augusto Prestes projetou e construiu um caminhão no Rio de Janeiro. Até o motor era 100% nacional

Para a maioria, Bandeirante é apenas um jipe da Toyota. Mas, na remota década de 1920, foi feito artesanalmente outro Bandeirante, obra de um engenhoso imigrante português residente no Rio. E a imprensa da época apresentou o caminhãozinho como "O primeiro automóvel fabricado no Brasil"!

Reportagens nos jornais cariocas de 1929 contam que o veículo, apresentado no dia 8 de janeiro daquele ano, foi inteiramente construído nas instalações da A. Prestes & C. Ltd..

Registro do primeiro automóvel feito no Brasil

Tratava-se de uma fábrica de máquinas para beneficiamento de café, onde também se faziam peças de reposição para automóveis. Localizada na Rua São Cristóvão 430, a firma tinha oficinas para fundição  de ferro, aço, bronze e alumínio. Tal estrutura foi suficiente para criar um caminhão completo, com capacidade para 7 toneladas.

As partes de aço como chassi, rodas e até o motor (de 60hp) foram fabricadas ali mesmo, bem como todas as demais peças de bronze e alumínio. A construção foi dirigida pelo comendador José Augusto Prestes, personagem que bem merecia ter sua história transformada em livro.

José Augusto Prestes e jornal da época

Nascido em uma família rica de Benfica, Portugal, Prestes estudou engenharia mecânica nos Estados Unidos. Em 1891, participou de um golpe mal sucedido para implantar a república em Portugal. Como o rei não caiu, o jeito foi vir para o Brasil.

No calor carioca, começou a estudar sobre frigoríficos e abriu a primeira fábrica de gelo no país (antes, o gelo vinha da Europa!). O versátil luso fez de tudo: tocou as obras do palácio do governo em Manaus, montou sua siderúrgica (Usina Santa Luzia), além de construir e administrar o Cassino Theatro Beira Mar, no Passeio Público, Centro do Rio.

Republicano, sofreu um atentado a bomba, de anarquistas. E, como presidente do Vasco, abriu as portas do clube aos jogadores negros, em 1924. Diante de tantas histórias, fazer o primeiro caminhão do Brasil (batizado de Bandeirante em homenagem a um club homônimo de pioneiros automobilistas) parece até simples.

Lançamento do caminhão Bandeirante no Brasil

O radiador do Bandeirante, vale dizer, tinha uma faixa preta na diagonal - seria uma referência à camisa do Vasco? No alto do colete havia um escudinho com as letras SL, de Santa Luzia. Abaixo do radiador, uma grande placa ostentava o nome da A. Prestes & C. Ltd.. 

Caminhão Bandeirante

Seus cilindros eram destacáveis do bloco, com 125mm de diâmetro e 140mm de curso (ou seja: 1.718cm³ cada um), mas infelizmente não encontramos maiores informações técnicas sobre o modelo - nem sequer quantos cilindros tinha.

Pelas notas da imprensa, sabe-se que o único exemplar do auto-caminhão (como se dizia na época) foi embarcado, no dia 20 de janeiro de 1929, para a Exposição Ibero-Americana de Sevilha. Fazendo as contas, apenas 12 dias se passaram entre o evento de apresentação do Bandeirante, no Rio, e seu envio para a Europa.

A mostra espanhola, que exibiu produtos dos países ibéricos e latino-americanos, ficou aberta por um ano - houve gente por lá que duvidou que o veículo era inteiramente fabricado no Brasil.

Jornal O Globo - O primeiro automóvel fabricado no Brasil

Passado o entusiasmo inicial, os jornais nada mais publicaram sobre o destino do pioneiro Bandeirante. Assim, há boa chance de que tenha se tornando, também, o primeiro automóvel brasileiro vendido no exterior.

Ouça o podcast do Motor1.com:

 

Siga o Motor1.com Brasil no Facebook

Siga o Motor1.com Brasil no Instagram

Envie seu flagra! flagra@motor1.com