Ué, falamos que o Veloster N é um acerto e agora falamos que é um erro? Calma, isso faz sentido sim. O Veloster N foi uma agradável surpresa. O problema é que o Veloster normal não foi tanto assim. O cupê é apresentado lá fora como um hatch de pegada esportiva, uma alternativa para o i30 (vendido nos EUA como Elantra GT). E colocar um motor 2.0 aspirado com ciclo Atkinson, que sacrifica desempenho para melhorar o rendimento energético, não nos parece uma escolha adequada para um carro esportivo.