Por tudo o que ela conquistou como chefe de equipe, Wolff é mais conhecida como uma das vozes mais fortes na última década sobre como impulsionar o envolvimento feminino no automobilismo

Susie Wolff sabe como é para uma chefe de equipe ver seu piloto liderar a classificação do campeonato mundial de Fórmula E em um minuto e despencar no próximo. Essa tem sido a montanha-russa na 7ª Temporada para todas as equipes sob as regras de qualificação que penalizam os líderes do campeonato e tornam a consistência quase impossível.

“Esta é a minha primeira corrida em Londres, pela qual estou muito ansiosa”, disse ela. “E sim, eu tenho um piloto na disputa - junto com outros 12 pilotos que ainda estão na disputa! E isso é um grande desafio para a Fórmula E. Tem variáveis lá, o que torna a consistência um grande desafio. Tivemos um fim de semana difícil em Nova York, então precisamos tentar nos recuperar - faltam quatro corridas e tudo pelo que jogar.

Susie Wolff:

“Acho que uma parte muito importante da Fórmula E é o fator entretenimento. E isso é algo de que estamos muito conscientes; queremos oferecer corridas emocionantes. E acho que um ótimo exemplo disso foi o Monaco ePrix; fomos para a pista do Grande Prêmio onde tivemos muitas ultrapassagens, e a liderança mudou na última volta.

“O attack mode (função dos carros que aumenta temporariamente a potência) tende a ser empolgante em termos de estratégia e sempre com carros se movendo para frente e para trás. E há outras partes como o fan boost, que acho que provavelmente podemos perder. Mas foi uma temporada muito emocionante, com tantos vencedores diferentes. Você poderia argumentar que é um pouco variável demais e não traz o suficiente de equidade esportiva. Mas isso é algo que estamos investigando. ”

Galeria: Susie Wolff: "Um Wolff na Fórmula 1 é suficiente"

A alteração do formato de qualificação, assim como as outras etapas seguintes da Fórmula E, precisam ser tratadas corretamente; esta categoria não está mais em sua infância. É mais um adolescente agora, lidando com dores de crescimento e precisando tomar as decisões certas para o futuro, especialmente com recentes desistências de fabricantes.

“Não somos mais aquela jovem start-up com toda a agitação ao nosso redor, estamos entrando em mudanças agora onde precisamos realmente ter uma base sólida e ter um plano de curto, médio e longo prazo de como fazer o esporte crescer”, diz Wolff.

“Existem pessoas muito boas envolvidas na gestão que sabem que existem certas áreas que precisam mudar para criar um show melhor e para ter certeza de que, a longo prazo, estaremos em uma situação melhor. A grande mudança óbvia que vem é a era Gen 3 (modelo de carro novo), que será introduzida no final da próxima temporada. Obviamente, há muitas discussões sobre como garantir que o formato seja o melhor, com superrecargadores para os veículos e talvez alterando o formato de qualificação para permitir um pouco mais de equidade esportiva”.

Por tudo o que ela conquistou como chefe de equipe, Wolff é mais conhecida como uma das vozes mais fortes na última década sobre como impulsionar o envolvimento feminino no automobilismo. A pioneira do programa Dare to be Different, ela o fundiu com o programa Girls on Track da FIA e este ano teve um crescimento significativo com seu programa de detecção de talentos “Rising Stars”, em parceria com a Ferrari.

“Temos sido muito ajudados pelo fato de que a diversidade é um grande tópico no mundo, não apenas no automobilismo,” ela diz. “As pessoas esperam ver diversos ambientes agora. E não é bom o suficiente se não for diverso. O problema é que é bom falar sobre isso, para que haja impulso. Mas tudo se resume às ações que todos nós realizamos para realmente fazer a diferença. Estamos vendo tantas oportunidades excelentes e simplesmente não temos talento feminino suficiente para preenchê-las. Portanto, estamos muito focados na iniciativa Girls on Track em chegar às bases, garantindo que estamos abrindo o esporte. Em seguida, pegando aquelas mulheres muito brilhantes e talentosas que têm sucesso nos esportes agora e criando mais modelos a partir delas.”

Susie Wolff:

Wolff supervisionou o desenvolvimento de uma força de trabalho diversificada em Venturi, agora com 33% de funcionárias, muitas mães que trabalham, como ela mesma, “somos as pessoas mais eficientes e multitarefas porque simplesmente temos que ser!” ela brinca.

“Mas também preciso provar que deu certo porque, no final das contas, sou o responsável pelo desempenho da equipe. E espero que, com as performances deste ano na Fórmula E, tenhamos mostrado que, na verdade, funciona.”

Quanto às suas próprias ambições para o futuro, Wolff descarta uma mudança para chefe de equipe na F1, “Acho que um Wolff na Fórmula 1 é o suficiente! Caso contrário, seria um pacote”, ela ri, referindo-se a seu marido Toto, chefe da equipe da Mercedes F1.

Susie Wolff:

“Quando entrei para a Venturi, estava em uma situação completamente diferente do que é agora. Há coisas emocionantes pela frente para a equipe. Temos um novo proprietário norte-americano, que é bem ambicioso quanto ao futuro. Minha própria jornada pessoal; Sou uma pessoa que sempre gosta de evoluir, gosto de me empurrar e me desafiar a continuar crescendo. Assim, quando a temporada terminar, posso fazer um balanço, espero, ter orgulho do que conquistamos como equipe e, então, olhar para o que vem no futuro.”

Envie seu flagra! flagra@motor1.com