Reajustes ficaram acima da média nas três categorias, conforme levantamento da KBB

Levantamento realizado pela consultoria KBB aponta que houve considerável alta de preços no mercado de automóveis do Brasil no mês de setembro. De acordo com o estudo, veículos novos, seminovos ou usados (modelos 2010 a 2021) acumularam reajustes no período. Foram pesquisadas ao todo 18.470 versões, envolvendo automóveis de todas as marcas.

Começando pelos 0 km, a alta tem relação direta com a influência do câmbio, tendo em vista a significativa desvalorização do real frente ao dólar (a moeda brasileira, vale lembrar, foi a que mais perdeu valor em relação ao dólar nos nove primeiros meses de 2020). Diante disso, o reajuste médio na categoria foi 1,93%, acima da média mensal de -0,27% observada em 2019. Além disso, verifica-se a tendência de valorização dos veículos 0 km parados em estoque.

Galeria: Chevrolet Onix LTZ 2017

Entre os seminovos até 2017, em média, a alta foi de 1,28%, enquanto nos usados (de 2016 a 2010) o acréscimo foi de 1,13%. De acordo com a Fenauto, federação dos revendedores, o mercado de usados acumula crescimento e os resultados de setembro chegam a superar os números de 2019. Só no mês passado, o aumento foi de 10,5%. Levando em conta os seminovos, o ano modelo com maior reajuste foi 2020, com alta de 1,87%. Já entre os usados, as maiores altas foram para veículos ano 2013, com variação de 1,29%.

Para produzir o levantamento, a KBB adota tecnologias de análise de dados e Big Data. Dessa forma, o processamento é realizado por um algoritmo alimentado semanalmente através de uma base com mais de 800 mil informações de preços de diferentes fontes do mercado. Uma equipe de especialistas também avalia diariamente os dados para garantir a validação dos resultados.

Fotos: Divulgação