Sétima geração do suprassumo da marca alemã também é capaz de frear sozinho antes de curvas e rotatórias

Mesmo que agora a Mercedes-Benz volte parte de sua atenção para os carros elétricos, como o crossover EQC, o seu ponto alto de tecnologia continua a ser o Classe S, o sedã mais caro, luxuoso e equipado da empresa. E não podia ser diferente na sétima geração, chamada internamente de W223. O modelo acaba de ser apresentado oficialmente, depois de uma longa campanha de teasers mostrando cada uma de suas tecnologias. Começará a ser vendido na Europa ainda neste ano, chegando a outros mercados ao longo de 2021.

Visualmente, o Mercedes-Benz Classe S 2021 impressiona, mesmo que ele não tenha mudado tanto assim. Ele adota parte da identidade visual usada atualmente pela marca alemã, mas com alterações suficientes para que não seja "mais do mesmo", como aconteceu com o CLS e o Classe A Sedan. Os faróis, por exemplo, usam os mesmos LEDs de iluminação diurna fazendo o contorno superior, mas o formato da peça é totalmente diferente, sem contar que usa uma tecnologia de LED inteligente.

Galeria: Mercedes-Benz Classe S 2021

Enquanto a grade não foi alterada, mantendo o formato e as três barras cromadas na horizontal, o para-choque ganhou um desenho totalmente novo, com uma entrada de ar que percorre toda a peça e uma borda cromada, dando uma aparência bem mais esportiva. Na traseira estão as novas lanternas em LED em forma de triângulo, o que também é um estilo próprio do Classe S em comparação aos demais modelos.

Com uma nova plataforma, o Classe S ficou ainda maior: são 5,283 metros de comprimento, 1,955 m de largura, 1,498 m de altura e 3,225 m de entre-eixos. São 33 mm mais de comprimento, 50,8 mm de largura, e 50,8 mm extras de entre-eixos. Esta diferença foi usada principalmente no espaço para quem viaja nos bancos traseiros (geralmente o dono do carro neste caso), aumentando a área para pernas e cabeça.

Quase híbrido

A Mercedes-Benz continua a apostar suas fichas na eletrificação, seja ela mais simples com sistemas leves de 48V ou modelos totalmente elétricos. No caso do Classe S, a marca decidiu oferecê-lo com o chamado EQ Boost, uma tecnologia híbrida-leve de 48V que usa um gerador integrado ao alternador, que recupera energia com o movimento e a utiliza na aceleração ou quando o carro está em velocidade de cruzeiro, desligando o motor por um tempo para economizar combustível. O sistema é usado nas duas motorizações do sedã.

O motor mais básico é o 3.0 turbo de seis cilindros em linha, que equipa o S 500. Ele entrega 435 cv a 5.500 rpm e um torque de 53 kgfm a partir de 1.600 rpm. A opção mais cara será o 4.0 V8 biturbo, este gerando 503 cv a 5.500 rpm e 71,3 kgfm entregues a partir de 2.000 rpm. Em todos os casos, a transmissão é a automática 9G-TRONIC de 9 marchas, com tração integral 4MATIC. O sistema EQ Boost entrega até 21 cv e 25,4 kgfm a mais. Infelizmente, a marca não divulgou a aceleração de 0 a 100 km/h, dizendo apenas que a velocidade máxima é limitada eletronicamente em 209 km/h. Haverá outas motorizações, mas chegarão em outro momento – sabemos que o V12 será usado somente pela futura versão topo de linha Maybach.

Mercedes-Benz Classe S 2021 - Traseira
Mercedes-Benz Classe S 2021 - Traseira

Houve uma atenção a cada detalhe do Classe S. Seu coeficiente aerodinâmico é de somente 0,22, um dos menores do mundo, alcançados após dezenas de horas de simulação no túnel de vento, criando uma carroceria que ajude na passagem do ar, inclusive o ar quente gerado pelo motor. Segundo a fabricante, foram feitos até 250 cálculos do efeito do vento em cada área da carroceria. Conta até com esterçamento das rodas traseiras.

Informações no para-brisa

A tecnologia mais impressionante é o novo Head-Up Display de realidade aumentada. Com ele, as informações são projetadas direto no para-brisa do carro, incluindo a seta da navegação por GPS, indicando exatamente onde você tem que virar, ao invés de apenas mostrar uma seta e a contagem de distância. Ele usa uma imagem dos arredores para calcular onde é o caminho a ser seguido. Caso o cliente não compre o HUD, essa imagem é mostrada na central multimídia.

A tecnologia de controle por voz continua a ser melhorada e a nova geração do MBUX tem um processador 50% mais potente, melhorando o tempo de resposta. O sistema entende melhor os comandos e é capaz de aprender a pronúncia do motorista, permitindo que responda às ordens dos usuários usando um dos 27 idiomas disponíveis ao invés de seu próprio. Até a resposta do sistema é diferente, falando outras frases ao invés de repetir a resposta de sempre.

E não faltam outras tecnologias. Vem com um pacote completo de assistências, desde controle de cruzeiro adaptativo, que altera a velocidade de acordo com o limite da via e que freia automaticamente antes de curvas, rotatórias e similares; até comunicação com outros carros, com informações atualizadas em tempo real.

Mercedes-Benz Classe S 2021 - Interior
Mercedes-Benz Classe S 2021 - Interior

Uma de suas inovações é o airbag traseiro, que fica na parte de trás do encosto de cabeça dianteiro. Em uma colisão, ele se abre como uma asa, protegendo quem está nos bancos de trás. A suspensão E-Active tem uma função que altera o ajuste do amortecedor, preparando o veículo imediatamente antes de um acidente, reduzindo a gravidade do impacto.

O Mercedes-Benz Classe S 2021 começará a ser vendido pouco após a apresentação na Europa. Alguns mercados irão recebê-lo no 1º semestre do ano que vem, como os Estados Unidos, enquanto os demais só devem vê-lo a partir do 2º semestre. Desta vez, ele será oferecido somente como um sedã, matando a variante conversível e cupê, fazendo com que os clientes procurem pelo AMG GT ou o Mercedes SL. Ainda terá uma variante totalmente elétrica chamada EQS, que já apareceu em testes, mas que só será lançada no ano que vem.

Fotos: divulgação