Com suspensão invertida e visual invocado, seria uma bela rival para a Haojue DR 160 no Brasil

A Honda Hornet é um dos modelos mais icônicos da fabricante japonesa, mas ela acabou sendo substituída pela CB 650F em 2014. Nas últimas semanas, porém, a marca começou a divulgar teasers do retorno da Hornet, sem dar detalhes de como seria. Agora ela é finalmente revelada por completo: batizada como Hornet 2.0, ela estreia de olho no mercado indiano e com motor de 184 cc de 17,2 cv, o mesmo da XRE 190. Até agora, ela só foi confirmada para a Índia.

Agora posicionada no segmento das 200 cc, a Honda Hornet 2.0 foi feita baseada na CB 190R dos mercados internacionais. Traz um design próprio, com carenagem diferente e outro formato para o farol e lanterna. Utiliza LED para iluminação e traz até uma lanterna em forma de “X”, uma pequena referência à Hornet 160. Ainda tem um painel de instrumentos digital.

Galeria: Honda Hornet 2.0

Outra mudança no estilo está alinhada com uma novidade técnica, pois a Hornet 2.0 recebeu suspensão dianteira com garfos telescópicos invertidos, com acabamento em dourado (como a Haojue DR160). Já a suspensão traseira tem um monoamortecedor ajustável. Ainda traz novas rodas de liga leve, com pneus de 110 mm na frente e 140 mm na traseira. Já os freios são a disco com 276 mm na frente e 220 mm atrás, usando ABS de canal único. A Honda diz que a moto pesa 146 kg.

Se antes a Hornet usava um motor de 4-cilindros e 599 cc, com 102 cv e 6,53 kgfm, agora ela vem com um monocilíndrico de 184,4 cm³. É o mesmo propulsor da XRE 190 no Brasil. Irá entregar 17,2 cv e 1,64 kgfm, números diferentes dos 16,4 cv e 1,66 kgfm da XRE 190 vendida por aqui. A Honda diz que ela tem uma relação peso-potência bastante favorável, e que precisa de somente 11,25 segundos para percorrer 200 metros.

Honda Hornet 2.0 Traseira Três-quartos
Honda Hornet 2.0 Lado Direito

A Honda Hornet 2.0 será vendida na Índia por 126.435 rúpias indianas (R$ 9,3 mil pela cotação atual). Ela foi feita pensando no mercado indiano e não há qualquer indicação de que possa ser levada para outros países. Caso viesse ao Brasil, poderia fazer a ponte entre a linha da CG 160 e a CB Twister 250.

Fotos: divulgação