Concorrência acirrada e regras anti-poluição não facilitaram a vida do modelo no país

Após aproximadamente três anos de vendas baixas e desempenho comercial aquém do esperado, o crossover Captur deixa oficialmente o portfólio da Renault na Índia. Conforme explica a imprensa local, o modelo já foi retirado do site oficial da marca e não deve voltar a ser oferecido nem mesmo em nova geração (já apresentada na Europa).

O SUV sai de cena com aproximadamente 6.618 unidades vendidas desde 2017, o que representa uma média mensal de apenas 228 exemplares - bem distante de rivais como Hyundai Creta e Suzuki S-Cross, por exemplo. O modelo era elogiado localmente pelo bom motor turbodiesel e amplo espaço interno, mas duramente criticado pelo preço e acabamento simples.

Galeria: Renault Captur - Índia

A concorrência acirrada também nunca deu trégua e, para piorar, o elogiado motor turbodiesel teve de ser descontinuado em função das novas regras anti-poluição implementadas no país. Na prática, o Captur ficou sem seu principal ponto-forte e com vendas cada vez mais acanhadas - restando à Renault retirá-lo do mercado. Mecanicamente distinto do europeu, o modelo local tinha entre-eixos alongado e usava a plataforma do Duster, exatamente como acontece no Brasil.

Agora, os esforços da marca serão direcionados para modelos bem-sucedidos localmente, como o compacto Kwid e a minivan Triber (que tem surpreendido com vendas acima da média). Além disso, há grande expectativa em torno do SUV de entrada Kiger (projeto HBC), que terá posicionamento bastante competitivo. O Duster, recém reestilizado por lá, completa o portfólio local, sendo oferecido inclusive com motor 1.3 turbo.

No Brasil, o Captur segue em oferta e deverá ser reestilizado em 2021, trazendo novidades no design e, finalmente, o motor 1.3 turbo desenvolvido pela Renault em parceria com a Mercedes-Benz.

Fotos: Divulgação