Foto da carroceria é divulgada pelo CEO da Renault no país vizinho. Lançamento será no final do ano

Após ter a fabricação na Argentina anunciada em maio, a Renault Alaskan aparece já sendo montada na fábrica em Santa Isabel, em imagem divulgada por Pablo Sibilla, presidente da marca no país vizinho. A picape média é derivada da Nissan Frontier, usando a mesma plataforma, motores e grande parte da carroceria e acabamento interno. Ela será lançada no mercado argentino no final do ano e sua chegada ao Brasil ainda não foi confirmada pela Renault.

A imagem mostra a carroceria da Renault Alaskan, ainda inacabada, na linha de montagem em Santa Isabel. “Duas semanas depois do anúncio da fabricação da Alaskan na Argentina, te mostramos a primeira carroceria de uma Alaskan que sai de Santa Isabel, Córdoba”, escreveu Sibilla em seu perfil no Linkedin. “Apesar do Covid-19, estamos começando a preparar a linha de produção”, completa o executivo, ainda dizendo que “Alaskan: trabalho que gera trabalho.”

Galeria: Renault Alaskan 2019

A Alaskan será uma aposta importante da Renault para o mercado argentino, onde as picapes são muito fortes. A marca francesa acredita que conseguirá mais clientes do que a Nissan Frontier por ter uma quantidade maior de concessionárias. Para ter uma ideia, a Frontier emplacou 2.756 unidades ao longo de 2019, enquanto a Toyota Hilux contabilizou 25.128 no mesmo período e liderou o segmento.

Parte de uma estratégia de oferecer três picapes com a mesma plataforma, a Renault Alaskan foi o segundo modelo baseado na Nissan Frontier, junto com a Mercedes-Benz Classe X. Ela deveria ter iniciado a produção na Argentina há muito tempo, mas a crise econômica fez com que a Renault congelasse os planos. A decisão da Mercedes-Benz de não montar mais a Classe X também afetou a estratégia.

E agora, será que a Renault Alaskan vem ao Brasil? A marca tinha planos de vender a picape, tanto é que trouxe o modelo para o Salão do Automóvel de São Paulo 2018, mas oficialmente dizia que estava apenas medindo a aceitação. Nos bastidores, o que era dito é que a vinda da picape esbarrava em alguns problemas, como o medo de não atrair os clientes pela falta de tradição no segmento e o fato de que a Alaskan é praticamente idêntica à Frontier, mudando apenas o logo e o design dianteiro.

Com a nova estratégia da Aliança Renault-Nissan de aumentar a cooperação entre as empresas, a Alaskan pode ter ganhado um novo papel para toda a América do Sul e pode vir no ano que vem.

Fotos: Divulgação