Marca cancelou o desenvolvimento para evitar gastos durante a pandemia

Se você é fã de picapes, deve ter ouvido falar da Ranger Raptor, a versão esportiva da picape média da Ford, oferecida no resto do mundo - mas acabamos ficando de fora. A marca já deixou claro que a chance do modelo chegar ao Brasil é praticamente zero no momento, apostando na Ranger Storm para oferecer um visual parecido. Já no exterior, o que era dito é que a picape receberia uma variante com motor a V8.

Sim, "receberia", pois aparentemente o projeto da Ford Ranger Raptor com motor V8 foi engavetado. O site australiano Whichcar.au obteve mais informações sobre o modelo, dizendo que ele foi paralisado indefinidamente. Vale lembrar que foi este site que descobriu as primeiras informações, revelando que seria um projeto feito em conjunto com a empresa Premcar.

Galeria: Ford Ranger Raptor 2019

Citando os cortes de gastos feitos pela Ford em todo o mundo por conta da pandemia, o desenvolvimento de uma Ranger Raptor não está no topo da lista de prioridades no momento. É uma má notícia para a Premcar, que tem um bom relacionamento com a Ford no sentido de desenvolver versões mais rápidas dos carros da marca, como os modelos Falcon.

O Whichcar ainda diz que a ideia era que a Ranger Raptor trocasse o motor biturbo diesel pelo mesmo 5.0 V8 do Mustang, que entregaria, no mínimo, 460 cv e 56,7 kgfm. Isso se a Premcar não decidisse mexer no desempenho do propulsor. Ainda assim, é quase o dobro do que os 213 cv da variante que está no mercado agora.

Enquanto a aprovação da Ford possa não acontecer mais, também não podemos descartar que a Ranger Raptor V8 acabe virando realidade nas mãos de algumas preparadoras. A própria Premcar costuma fazer os modelos por conta própria e já vimos a Herrod Performance criar o Mustang R-Spec. De qualquer forma, a picape poderia ficar restrita ao mercado australiano.

Ford Ranger Raptor
Ford Ranger Raptor

As chances de vermos a Ford Ranger Raptor no Brasil são muito baixas. Apesar da picape média ser produzida na Argentina, a versão esportiva é feita somente na Tailândia e chega importada até mesmo ao mercado argentino. Caso viesse para cá, teria o Imposto de Importação e ainda o dólar disparado, o que faria com que custasse muito mais dos que os R$ 205 mil cobrados pela versão Limited que atualmente ocupa o topo da linha.

Fotos: divulgação

Veja também

Fonte: Whichcar.au